Rodrigo Amado The Bridge, 14 de Novembro de 2022

Rodrigo Amado The Bridge

Pura energia e alegria

texto: Paul Acquaro / fotografia: Christina Marx

Rodrigo Amado apresentou no Jazzfest Berlin o seu novo projeto, The Bridge, com Alexander von Schlippenbach, Ingebrigt Håker Flaten e Gerry Hemingway; o concerto teve lugar no dia 3 de novembro, no clube Quasimodo. O crítico norte-americano Paul Acquaro – editor do site The Free Jazz Blog – assistiu à atuação do grupo e conta-nos como foi.

Um dos grandes destaques da programação rica do Jazzfest Berlin 2022 foi Rodrigo Amado com um novo quarteto, The Bridge, com o lendário pianista alemão Alexander von Schlippenbach, juntamente com o baterista americano Gerry Hemingway e o contrabaixista norueguês Ingebrigt Håker Flaten. Este elenco internacional de músicos de primeira linha esteve verdadeiramente à altura das suas reputações.

Um dos vários temas do Jazzfest deste ano foi um aceno à influente editora FMP, com atuações de alguns dos músicos ligados à instituição da antiga Alemanha Ocidental. O grupo The Bridge não só fez uma ligação direta com Schlippenbach (que tocou na primeira gravação FMP, “European Echoes” da orquestra de Manfred Schoof, de 1969, e o seu disco “The Living Music” foi a décima edição da editora), como também tocou no lendário clube Quasimodo, a poucos quarteirões da sede do Jazzfest. O clube foi o local de nascimento da FMP, sendo onde se realizou o primeiro Total Music Meeting, uma reação organizada por Peter Brötzmann e Jost Gebers da FMP em 1968 ao Festival de Jazz de Berlim, tratando-se de um evento muito mais recheado. 

O grupo arrancou numa toada suave. Amado lançou um riff melódico, audaz, de sonoridade clássica, algo que ele é muito bom a fazer. Schlippenbach, atrás do seu piano, à esquerda de Amado, manteve um olhar atento sobre o saxofonista, com as suas mãos a pressionar suavemente acordes no registo médio do instrumento. Håker Flaten, com o arco nas cordas do contrabaixo, já era uma força em movimento e a percussão de Hemingway acrescentava uma pulsação com precisão de corte laser. Breve. Amado deixou-se para trás e era agora o solo de Schlippenbach  ou talvez de Hemingway  não é claro e não importava, pois os dois eram compostos em tempo real. Amado regressou, agora em registo altíssimo, aumentando a energia. O grupo continuou neste fluxo e refluxo durante algum tempo, a tornar-se cada vez mais intenso. De vez em quando, escutando atentamente, podia-se ouvir um pouco dos voicings monkianos de Schlippenbach ou uma melodia suave, mas à medida que a energia se intensificava, o pianista começava a tocar um acompanhamento cada vez mais preciso. Se havia uma queixa a fazer, era que não havia lugares suficientes no clube e estar sentado no chão era terrível... não, desculpem, se havia queixa a fazer era que o piano poderia ter sido mais amplificado. A força de Hemingway e Amado juntos é difícil de resistir, também muito alta.

Depois de uma hora intensa, e de um generoso encore, um longo decrescendo desembocou numa bela melodia de embalar de Amado. Depois, com um brilho malicioso no seu olhar, Schlippenbach lançou um acorde afiado e em choque. De repente, a energia voltou a rugir e o grupo apoderou-se de outro pico.

Dias antes deste espetáculo, Amado respondeu a algumas perguntas sobre este novo grupo. Contou o saxofonista: «The Bridge era para ter sido apenas um concerto único. Recebi uma boa proposta da Philharmonie Luxembourg, para uma data específica, e a minha ideia inicial era actuar com o This Is Our Language Quartet (com McPhee, Kessler e Corsano). Mas o Joe McPhee não estava disponível, por isso comecei a pensar numa alternativa. Depois de pensar em cenários diferentes, acabei de me aperceber que era a oportunidade perfeita para testar uma nova formação forte. O primeiro músico que me surgiu foi Schlippenbach.»

A decisão de formar o grupo em torno do pianista de 84 anos de idade não foi apenas um impulso de intuição ou de reverência, mas antes surgiu da experiência do saxofonista. Há alguns anos, Amado tinha tocado com Schlippenbach num dos seus grupos mais familiares, o Motion Trio. Amado explica: «Os concertos com o Motion Trio tinham sido uma explosão total e eu estava ansioso por subir de novo ao palco com ele. Depois, surgiu o Ingebrigt. Tenho acompanhado de perto o seu percurso, há muitos anos. Tocámos juntos em Trondheim e não poderia imaginar uma melhor âncora para o poder metafísico de Schlippenbach. Finalmente, ao pensar num baterista para completar o quarteto, lembrei-me de ver Hemingway em Saarbrücken, em novembro de 2021, e de ter sido totalmente arrebatado pela sua forma de tocar, uma mistura de nuances subtis de percussão e pura energia.» 

A pura energia e alegria do concerto do Jazzfest parece sublinhar o comentário de Amado sobre o que se seguiu. «As coisas seguiram a dinâmica de uma montanha-russa», explicou, e «a palavra começou a espalhar-se sobre o grupo e começámos a receber propostas espantosas para tocar em festivais e clubes por toda a Europa. 2023 vai ser intenso!»

Embora ainda seja 2022, esta noite no clube Quasimodo já foi muito intensa!

Agenda

26 Novembro

Tiago Sousa

Cossoul - Lisboa

26 Novembro

Lynn Cassiers, Manolo Cabras e João Lobo “Dancing With Don”

Porta-Jazz - Porto

26 Novembro

Clara Lai, Amidea Clotet, João Almeida e João Valinho

Penha sco - Lisboa

26 Novembro

Orquestra de Jazz de Espinho com João Barradas

Teatro Municipal de Bragança - Bragança

26 Novembro

José Lencastre, Ziv Taubenfeld e Felice Furioso

SMUP - Parede

26 Novembro

Júlio Resende

Fábrica Braço de Prata - Lisboa

26 Novembro

Mariana Dionísio, Clara Lacerda e Romeu Tristão

Adega do Museu Rural e do Vinho - Cartaxo

26 Novembro

Practically Married

Hot Clube de Portugal - Lisboa

27 Novembro

Jorge Moniz “Cinematheque”

Cine-Teatro Louletano - Loulé

27 Novembro

Lynn Cassiers / Manolo Cabras / João Lobo “Dancing With Don”

MAAT - Lisboa

Ver mais