Outono em Jazz: João Donato Quarteto, 11 de Outubro de 2022

Outono em Jazz: João Donato Quarteto

A longa viagem de João Donato

texto: Miguel Soares / fotografia: Maria Ruivo – Fundação Casa da Música

O Outono em Jazz abriu com um dos pioneiros da bossa nova. A jazz.pt esteve lá e conta como foi.

É delicioso ouvir João Donato relatar a história da viagem que fez com a sua família, quando abandonaram o remoto estado do Acre para se mudarem para o Rio de Janeiro. Segundo Donato, a viagem durou três meses, dado que o barco em que viajavam só tinha autonomia para viajar um dia, tendo de parar para um demorado abastecimento que só permitia regressar à navegação no dia seguinte. 

O rapaz de Rio Branco chegou à cidade maravilhosa em meados da década de 40 e, ainda adolescente, pôde ter acesso aos círculos onde se tocava o cancioneiro norte-americano. No início da década de 50, já trilhava o seu caminho, e é nessa altura (1953) que escreve “Eu quero um samba”, tema que é apontado como o primeiro a introduzir a batida da bossa nova.

Só por esse caráter pioneiro, Donato já teria reservado o seu lugar na história da música brasileira e mundial, mas o que é certo é que a longa viagem de Donato continua, somando perto de quarenta discos em nome próprio e milhares de colaborações (como arranjador e músico de sessão).


Naquele que era o concerto de abertura do ciclo Outono em Jazz, no dia 9 de outubro na Casa da Música assistimos ao desfilar de muitos dos temas que tornaram Donato uma figura incontornável, numa Sala Suggia quase lotada. Quase sempre introduzidos com relatos do seu contexto de criação, temas como “Minha Saudade” (parceria com João Gilberto), ou “Amazonas” (gravado originalmente com a orquestra de Claus Ogerman) e os super-êxitos “Bananeira” e “The Frog” foram pontos altos do concerto.

A acompanhá-lo estiveram Ricardo Pontes (saxofone e flauta), Renato Massa (bateria) e Guto Wirti (contrabaixo). Três excelentes músicos, bem versados no léxico de Donato, que contribuíram para que a energia do concerto nunca tivesse esmorecido.

Chamado ao palco por duas vezes por uma plateia reverente, João Donato, com 88 anos, mostrou-se generoso e provou que ainda é capaz de cumprir a missão que gosta de atribuir à sua música: tornar as pessoas mais felizes. Explicou que era precisamente por essa razão que tinha dado o nome de “Serotonina” ao seu mais recente registo discográfico, o primeiro contendo apenas composições inéditas em mais de duas décadas.

No final, ficámos a saber que a longa viagem iniciada no Acre, há mais de setenta anos, ainda não terminou, dado que o disco “Serotonina” já tem sucessor, que sairá em breve. 

Agenda

26 Novembro

Tiago Sousa

Cossoul - Lisboa

26 Novembro

Lynn Cassiers, Manolo Cabras e João Lobo “Dancing With Don”

Porta-Jazz - Porto

26 Novembro

Clara Lai, Amidea Clotet, João Almeida e João Valinho

Penha sco - Lisboa

26 Novembro

Orquestra de Jazz de Espinho com João Barradas

Teatro Municipal de Bragança - Bragança

26 Novembro

José Lencastre, Ziv Taubenfeld e Felice Furioso

SMUP - Parede

26 Novembro

Júlio Resende

Fábrica Braço de Prata - Lisboa

26 Novembro

Mariana Dionísio, Clara Lacerda e Romeu Tristão

Adega do Museu Rural e do Vinho - Cartaxo

26 Novembro

Practically Married

Hot Clube de Portugal - Lisboa

27 Novembro

Jorge Moniz “Cinematheque”

Cine-Teatro Louletano - Loulé

27 Novembro

Lynn Cassiers / Manolo Cabras / João Lobo “Dancing With Don”

MAAT - Lisboa

Ver mais