18 de Setembro de 2019

Um momento impressionista

texto Rui Eduardo Paes fotografia Cláudio Rêgo

Como improvisar sem seguir a cartilha da música improvisada? Ricardo Sá Leão, Ricardo A. Freitas e Nuno Morão deram-nos uma resposta impressionista na SMUP, fechando uma sexta-feira 13 da melhor maneira…

Ler mais

14 de Agosto de 2019

Porque resistir é preciso

texto Nuno Catarino e Gonçalo Falcão fotografia Petra Cvelbar / Fundação Calouste Gulbenkian

Em dois fins-de-semana, com concertos de quinta-feira a domingo, o Jazz em Agosto teve este ano como mote a música que está a ser feita em resistência às movimentações que pretendem fazer recuar o mundo para tempos mais negros. De modos diferentes, explícitos e implícitos, com 16 concertos que também tiveram desenlaces diversos. Aqui fica a reportagem da jazz.pt…

Ler mais

19 de Julho de 2019

Ritmos abstractos e o efeito Washington

texto Gonçalo Falcão fotografia Adriano Ferreira Borges / gnration

O gnration de Braga voltou a ter jazz neste mês de Julho com dois concertos de excelente música e um, que não a oferecendo, encheu o anfiteatro. O melhor chegou no fim, com apenas 50 pessoas a assistir à actuação dos Bunky Swirl de Jim Black e Elias Stemeseder, mais Peter Evans como convidado…

Ler mais

18 de Julho de 2019

No fio da navalha

texto João Esteves da Silva e Nuno Catarino fotografia Fundação de Serralves

Em mais uma edição que tem incidido nas parcerias de músicos portugueses com outros de países terceiros, o ciclo de concertos da Fundação de Serralves arrancou com um novo projecto de Pedro Melo Alves, “In Igma”, estrelado por Mark Dresser e Eve Risser, e continuou com a segunda versão do grupo nacional Fail Better! com Théo Ceccaldi como convidado. No próximo sábado 20 de Julho haverá mais um encontro inédito e construído sobre uma ideia de risco, aquela que justifica a prática da improvisação…

Ler mais

15 de Julho de 2019

Um JiG-Gante em andamento

texto Gonçalo Falcão e Nuno Catarino fotografia Vera Marmelo - Goethe Institut

A comemoração dos 15 anos do festival promovido pelo Goethe Institut em Lisboa fez-se na primeira metade de Julho com música europeia de elevada qualidade. O arranque fez-se com os portugueses Cat in a Bag e o fecho com os alemães Philm, dois dos pontos altos da edição.

Ler mais

12 de Julho de 2019

Sonho acordado

texto Rui Eduardo Paes fotografia Cláudio Rêgo

O sexteto feminino que anda nas bocas dos apreciadores portugueses das músicas criativas foi à Parede mostrar os motivos que dele fazem uma das boas surpresas de 2019. A música pendular que tocou envolveu os presentes no ritual e embalou-os num sonho acordado. A jazz.pt conta como foi…

Ler mais

2 de Julho de 2019

A Rita ouveu

desenho Rita Draper Frazão

A artista plástica Rita Draper Frazão é já uma presença habitual nos festivais de jazz e música improvisada que se realizam em Portugal, sempre debruçada sobre os seus cadernos de desenho. E mais uma vez esteve no MIA, retratando os músicos que iam tocando na sua aniversariante 10ª edição, consoante aquilo que deles ouvia. Eis o resultado…

Ler mais

2 de Julho de 2019

Cultura para todos

texto Gonçalo Falcão

A jazz.pt assistiu ao parto de mais um festival. Com o mesmo nome do ciclo de jazz de Serralves e uma programação não muito distante da do Hot Clube, momentos especialmente gratificantes foram proporcionados pelos TGB e pelo Sexteto de Jazz de Lisboa. Gratuitos e com assento na relva do jardim.

Ler mais

26 de Junho de 2019

Estratégia de evitamento

texto Rui Eduardo Paes fotografia Cláudio Rêgo

Num permanente jogo de aproximações e distanciamentos do rock, dois dos mais importantes músicos da cena nacional da improvisação e duas luminárias dos circuitos internacionais foram à SMUP levantar algumas questões de fundo. A jazz.pt ouviu-os e ficou a pensar…

Ler mais

10 de Junho de 2019

Sob o signo da diversidade

texto João Esteves da Silva fotografia Sons da Lusofonia

Na segunda edição depois da saída do S. Luiz, a festa do jazz português centrou-se no Capitólio e, como sempre, combinou concertos (cobrindo o largo espectro dos “jazzes” que por cá se praticam) e concursos de escolas. Aqui se fala do que ali aconteceu no segundo dia, que foi também o segundo do mês de Junho…

Ler mais

5 de Junho de 2019

10 anos depois

texto Rui Eduardo Paes fotografia José Félix da Costa

O “congresso dos improvisadores” do concelho de Peniche comemorou o seu 10º aniversário com uma maratona de sete dias de concertos, “workshops” e “jams” que teve como principais chamarizes Axel Dorner, Carlos “Zíngaro”, Sei Miguel, Nuno Rebelo e Marco Scarassatti, mas deu a ouvir muitos mais valores, entre jovens e veteranos. A jazz.pt esteve presente e conta como foi…

Ler mais

23 de Maio de 2019

Na primeira linha

texto João Esteves da Silva fotografia Vera Marmelo

O trio The Necks voltou a Portugal neste mês de Maio para dois concertos, em Braga e Lisboa. A jazz.pt foi ouvi-los à Culturgest para perceber que, 30 anos passados desde que Chris Abrahams, Lloyd Swanton e Tony Buck se juntaram, o projecto continua na linha da frente.

Ler mais

9 de Maio de 2019

Uma festa cada vez mais especial

texto Gonçalo Falcão fotografia Luís Filipe Catarino / 4SEE

A cidade do Alto Alentejo recebeu neste início de Maio mais uma edição do seu festival, no ano que corre com um programa em que o protagonismo pertenceu às mulheres e a qualidade musical foi de regra (foto acima: Marc Ribot). Aqui se dá conta do que aconteceu…

Ler mais

27 de Abril de 2019

Caiu um muro

texto Rui Eduardo Paes fotografia Cláudio Rêgo

Numa fase especialmente criativa do seu percurso, Rodrigo Amado escolheu o mês de Abril para fazer as contas com o passado e abrir perspectivas para o futuro, chamando para ambas as circunstâncias, em dois concertos na SMUP, a colaboração de Andrew Lisle e Ricardo Toscano. Com este último fez mesmo história, mudando o cenário do jazz português.

Ler mais

3 de Abril de 2019

Um arranque caseiro

texto Gonçalo Falcão fotografia Estelle Valente

Fomos ao S. Luiz conhecer o festival com que a direcção deste teatro substituiu a anterior Festa do Jazz. O nome escolhido fez-nos crer que seria o equivalente, em termos jazzísticos, ao que o Web Summit é para a cidade de Lisboa, mas encontrámos algo de bem mais modesto. É o que se conta aqui em baixo…

Ler mais

26 de Março de 2019

De tudo um pouco

texto João Esteves da Silva fotografia Vera Marmelo

Dois dos músicos mais importantes do nosso tempo entraram em colisão num concerto da Culturgest que levou para o palco o sublime tumulto colocado no álbum “The Transitory Poems”, agora editado pela ECM. Foi uma noite deveras especial e a jazz.pt esteve presente.

Ler mais

13 de Março de 2019

Foi assim que aconteceu

texto Rui Eduardo Paes fotografia Câmara Municipal da Amadora

O ciclo de concertos organizado pelo município da Amadora abriu este ano o seu cartaz a uma intervenção internacional, a de um largamente ovacionado Marc Copland Trio (foto acima). As participações portuguesas dos TGB e do LUME não estiveram longe na aceitação do público e ainda se ouviu uma GeraJazz mais madura. A jazz.pt conta como foi…

Ler mais

13 de Fevereiro de 2019

Da improvisação como magia

texto Rui Eduardo Paes fotografia Miguel Silva

O ciclo Solilóquios do Yoga sobre o Porto comemorou o seu segundo aniversário com dois dias de concertos que ficarão certamente na memória de quantos a eles assistiram. A 9 e 10 de Fevereiro passado, a magia da improvisação aconteceu na Invicta…

Ler mais

31 de Janeiro de 2019

Improvisações há muitas

texto Rui Eduardo Paes fotografia Cláudio Rêgo

Improvisações há muitas, diria Vasco Santana. Foi o que perceberam quantos assistiram aos quatro primeiros concertos do ano na SMUP, todos eles diferentes. A jazz.pt esteve lá e conta como foi (na foto: Hernâni Faustino a solo)…

Ler mais

8 de Janeiro de 2019

Começou bem o ano

texto Rui Eduardo Paes fotografia Cláudio Rêgo

O grupo de Ricardo Jacinto, Gonçalo Almeida e Nuno Morão está a viver uma nova fase do seu percurso, como se verificou no primeiro concerto de 2019 na paredense SMUP. Na procura de uma improvisação trans-idiomática ligaram-se à electricidade e tocaram uma música que foi beber à folk e ao pós-rock, por vezes com repetitivismos rítmicos à maneira dos Dawn of Midi. O público entrou em delírio.

Ler mais