John Escreet: "Seismic Shift" (Whirlwind)

John Escreet: "Seismic Shift" (Whirlwind)

Whirlwind

António Branco

“Seismic Shift” é o primeiro, e notabilíssimo, álbum em trio do pianista britânico John Escreet, com Eric Revis no contrabaixo e Damion Reid na bateria. Tem chancela da londrina Whirlwind. As ondas já foram captadas pela jazz.pt.

O corpo de trabalho que o pianista e compositor John Escreet (n. 1984) tem vindo a erigir não pode deixar ninguém indiferente. “Seismic Shift”, acabado de sair na Whirlwind, é o seu nono álbum na condição de líder e o primeiro à frente de um trio, e isto não é despiciendo. É próprio quem nos esclarece em nota publicada na sua página no Bandcamp: «Adquiri um piano de cauda realmente bonito. Todo este tempo a tocar neste belo instrumento num espaço de trabalho dedicado significou que essencialmente me tornei um pianista muito melhor.» O novo álbum foi desenvolvido neste quadro: «É por isso que decidi gravar exclusivamente com o trio: finalmente senti-me forte o suficiente para chegar-me à frente e liderar este grupo», acrescenta.

Um mergulho no seu percurso (e não apenas como pianista de David Binney ou Antonio Sanchez), no qual avulta uma notável capacidade de interação com quem musicalmente o rodeia, nas diferentes configurações instrumentais, permite concluir como era importante colmatar esta lacuna e perceber como entende esta peculiar geometria sónica. Escreet integra o pelotão dos mais interessantes pianistas dos nossos atribulados dias, ao lado de ilustres como Jason Moran, Matthew Shipp, Craig Taborn, Kris Davis, Ethan Iverson, Marilyn Crispell ou Kaja Draksler. A seu lado no novo disco estão outros dois nomes com trajetórias mais do que reconhecidas, o contrabaixista Eric Revis (companheiro de Branford Marsalis, Jeff Tain Watts, Andrew Cyrille e Peter Brötzmann), há muito ligado à editora Clean Feed em discos como “City of Asylum” (2013), “In Memory of Things Yet Seen” (2014), “Crowded Solitures” (2016) ou “Sing Me Some Cry” (2017)) e o baterista Damion Reid (Steve Lehman, Liberty Ellman, Robert Glasper), eles próprios líderes dos seus projetos e formações e detentores de abordagens muitos marcadas e que formam uma dupla rítmica de primeira linha.

Nascido no Reino Unido e baseado em Los Angeles desde o pico da pandemia de covid-19, depois de muitos anos a viver em Brooklyn, Nova Iorque, Escreet teve ensejo de tocar pela primeira vez com contrabaixista e baterista num dos primeiros concertos pós-confinamentos, em 2021, e logo descobriram uma sólida base para entendimentos, a partir da qual desenvolveram uma linguagem partilhada e que agora dá os seus primeiros frutos. Os três têm uma presença muito forte na cena da Big Apple, que lhes permitiu partir da tradição para explorar novos caminhos sem abdicar das premissas fundamentais, nem deixar que elas obnubilem o desejo de avançar.

Para a música do trio confluem elementos que vão de harmonias pós-bop, a traços camerísticos e a terrenos mais avançados marcados por indagações harmónicas, melódicas e rítmicas, adentrando-se amiúde na atonalidade, dinamitando catalogações estéreis. Em entrevista a Filipe Freitas, da revista Jazz Trail, em 2018, Escreet revelou que as influências lhe chegam de todo o lado: «Tenho tantas influências diferentes de todo o espetro musical, que tento destilar na minha própria visão pessoal. Realmente não gosto de categorizá-las tão especificamente. Inspiro-me em Cecil Taylor, Evan Parker, Herbie Hancock, Earth Wind and Fire, Stevie Wonder, George Duke, Autechre, Messaien…»

A praxis pianística de Escreet tem sido sempre marcada pelas pontes que sabe estabelecer entre um requinte desafiador na esteira de históricos como McCoy Tyner ou Herbie Hancock, com ruturas tectónicas continuadoras dos reptos lançados por Thelonious Monk, Cecil Taylor ou Alexander von Schlippenbach. O rol de colaborações de relevo que tem vindo a empreender em diferentes momentos demonstra esta abrangência de horizontes e uma vincada pulsão para ousar: os contrabaixistas John Hébert, Eivind Opsvik e Matt Brewer, e os bateristas Tyshawn Sorey, Nasheet Waits, Eric Harland e Jim Black, entre outros. No campo dos sopradores, por exemplo, não esquecer as estabelecidas com o trompetista Ambrose Akinmusire (no disco “Consequences”, de 2008) ou, notavelmente, com o mestre saxofonista Evan Parker (em “Sound, Space and Structures”, de 2014). “The Unknown”, disco ao vivo de 2016, também é de audição obrigatória.

Gravado no seu novo reduto californiano (Granada Hills, uma zona de frequente atividade sísmica, sempre à espera do “the next big one”), “Seismic Shift”, editado pela londrina Whrilwind, revela o modo como os predicados de Escreet são exponenciados, sendo a presença de Revis e Reid determinante para tal, numa lógica de desafio e complementaridade cujo cômputo global revela-se superior à mera soma dos componentes. O pianismo intrincado surge logo na peça inaugural, “Study No. 1”, donde se destaca, em jeito de aviso ao sismólogo, o notável vigor do piano, com acordes densos, mão esquerda percussiva, a direita fluida, desenhando figuras que se modificam a cada instante, deixando o ouvinte atónito. Contrabaixo e bateria asseguram adequada propulsão, num notável tricot. Como o título deixa antever, “Equipoise” (leitura especial de um original do pianista Stanley Cowell, desaparecido no final de 2020; a versão referenciada é a de “Musa - Ancestral Streams”, disco a solo de 1974) serve de contrapeso, com a sua atmosfera mais serena, dela avultando uma bela linha melódica, da qual emerge um primeiro solo do contrabaixista, que guinda a peça para um outro patamar de intensidade, sob o signo de Coltrane.

A livremente improvisada “Outward and Upward” começa com uma linha hipnótica e evolui para terrenos mais repetitivos (Cecil Taylor vem à mente), feita de clusters politonais e angulosidades. O contrabaixista aborda o seu instrumento de forma pouco convencional, juntando-lhe a utilização do arco, o que aporta um tom mais lamentoso à peça. Em “RD” (R de Revis e D de Damion, os dedicatários) os níveis energéticos sobem aos píncaros, com os três músicos em articulação apertada. “Perpetual Love” é tudo menos uma balada nos moldes habituais, com o seu tempo médio; temos Reid a capturar Escreet e mais um solo de Revis a dar o mote para o trio mudar de rumo, com os motivos rítmicos propostos por piano e bateria a questionar tudo. “Digital Tulips”, introduzido por Revis, é outra peça labiríntica, eivada de um swing esdrúxulo que radicará no bop dos alvores transportado para a contemporaneidade (as mãos, de tal modo independentes, parecem pertencer a músicos distintos).

A peça-título é enigmática, com Escreet a desenhar linhas que constantemente mudam de direção e Revis a tanger as cordas com o arco, conferindo dramatismo e gravitas; Reid faz muito mais do que suportar ritmicamente, contribuindo de modo decisivo com o seu estupendo trabalho de címbalos. “Quick Reset” é vinheta improvisada de pouco mais de minuto e meio, em que Revis começa por propor um motivo repetitivo que o piano agarra e desenvolve, funcionando como antecâmara para o notável clímax que é “The Water is Tasting Worse”, com as linhas mais angulosas de travo monkiano no centro de um turbilhão que atinge proporções impactantes.

“Seismic Shift” de John Escreet é verdadeiramente um abalo sísmico, cujas consequências atingem elevado grau na escala das emoções. O pensamento está já no que fará a seguir.

  • Seismic Shift

    Seismic Shift (Whirlwind)

    John Escreet

    John Escreet (piano); Eric Revis (contrabaixo); Damion Reid (bateria)

Agenda

01 Fevereiro

Com Calma Jazz Jam

Com Calma - Espaço Cultural - Lisboa

02 Fevereiro

João Lencastre, Pedro Branco e João Hasselberg

Miradouro de Baixo - Carpintarias de São Lázaro - Lisboa

02 Fevereiro

Mockūnas-Mikalkenas-Berre

Água Ardente - Lisboa

02 Fevereiro

Ensemble Porta-Jazz / Robalo

Porta-Jazz - Porto

02 Fevereiro

José Menezes Quarteto

Cine Incrível - Alma Danada - Almada

03 Fevereiro

Pedro Neves Trio “Hindrances” / Wabjie

Festival Porta-Jazz - Rivoli - Porto

03 Fevereiro

Percussion

Água Ardente - Lisboa

03 Fevereiro

Gianni Narduzzi “Dharma Bums” / Carlos Azevedo Quarteto “Serpente”

Festival Porta-Jazz - Rivoli - Porto

03 Fevereiro

Mockūnas-Mikalkenas-Berre

Salão Brazil - Coimbra

04 Fevereiro

Coletivo Osso/Porta-Jazz “Interferências” / Umbral

Festival Porta-Jazz - Rivoli - Porto

Ver mais