Rodrigo Amado: “Refraction Solo” (Trost)

Rodrigo Amado: “Refraction Solo” (Trost)

Trost

António Branco

Com chancela da austríaca Trost, “Refraction Solo” é o primeiro registo a solo do saxofonista e improvisador Rodrigo Amado. Gravado ao vivo na Igreja do Espírito Santo, nas Caldas da Rainha, é uma viagem solitária e coletiva ao mesmo tempo, uma vénia aos mestres, um grito de liberdade. A jazz.pt já o escutou.

Sonny Rollins disse em certa ocasião: «Eu não deveria estar a tocar, a música deveria estar a tocar-me a mim. Eu deveria estar ali com o saxofone, movendo os meus dedos. A música deveria estar a chegar através de mim; é quando realmente tudo acontece.» É dessa espécie de inefável comunicação mediúnica que trata o primeiro registo a solo do saxofonista e improvisador (também fotógrafo e programador) Rodrigo Amado, alguém cujo trabalho é mais reconhecido fora do retângulo do que dentro dele. Camões estava certo.

Ao longo dos anos, Amado tem vindo a erguer um edifício sonoro muito peculiar, vertido em diferentes contextos e gravações: desde os tempos dos saudosos Lisbon Improvisation Players, ao Motion Trio (com Miguel Mira e Gabriel Ferrandini), Wire Quartet, This is Our Language Quartet (com Chris Corsano, Kent Kessler e Joe McPhee), Refraction Quartet, The Bridge e outros projetos mais ou menos pontuais.

A sua forma de tocar e o seu som estão verdadeiramente fundados na história do jazz. Muito associado, por vezes em análises demasiado simplistas ou preconceituosas, à tradição do free jazz, uma imersão mais atenta na sua vasta produção permite concluir que muitas das suas raízes acham-se em etapas anteriores, sobretudo no hard-bop. O músico lisboeta disse em 2015 numa entrevista à jazz.pt: «É natural que a influência primária que mais marcou e marca o meu discurso venha de grandes “fraseadores” do jazz como Ornette Coleman, John Coltrane, Sonny Rollins, Archie Shepp, Wayne Shorter, Booker Ervin ou Gerry Mulligan, entre muitos outros. Esta é uma influência inconsciente, intuitiva, ligada a essa clareza de fraseado ou articulação.»

Somam-se, claro, influências mais conscientes e um acrescido risco, embora Amado goste de sublinhar que a inspiração direta passa a ser os músicos com quem está a tocar e que o foco está totalmente concentrado naquele instante, único e irrepetível. E o que acontecerá quando está sozinho em palco? Pela primeira vez em disco, “Refraction Solo” exibe Amado no mais solitário dos contextos. «Resolvi fazer uma série de concertos a solo para sublimar a energia e as ideias com as quais vinha trabalhando durante todo o período de dois anos de pandemia. Para mim, esses dois anos foram realmente interessantes e inspiradores. Posso ser meio eremita e adoro (e às vezes preciso) de ficar sozinho. Então, todo aquele vazio, nas ruas, nas estradas, na praia, foi muito interessante e até mágico de certa forma», revela o saxofonista em notas pessoais que acompanham o disco. E acrescenta um elo a uma longa cadeia da expressão solística no tenor, que tem em Coleman Hawkins e Sonny Rollins os seus expoentes maiores. Ao interpelar a tradição, o músico torna-se parte dela; ao interiorizá-la, contribui para a sua expansão, num jogo de dupla significância.

No meio de todo este o processo, o músico tomou consciência mais aguda das limitações do instrumento em que tocava e esta questão tornou-se para si uma verdadeira obsessão. Tinha experimentado um Selmer Balanced Action Tenor de 1945 e algo no seu som logo o surpreendeu. «Este instrumento era do último ano da Segunda Guerra Mundial e dizia-se que o metal usado para construí-lo era de sinos de igreja que foram derretidos para fazer cápsulas de balas que também foram acumuladas e derretidas para fazer esses saxofones. Difícil de confirmar, mas uma bela história», revela Amado. Comprou esse saxofone, mas apesar de gostar do seu som havia algo com as chaves que não o satisfez. Em julho de 2020, zénite pandémico, viajou para Paris (com mais dois ou três passageiros em todo o avião) para experimentar, durante uma hora, um outro tenor. Antes do regresso à capital portuguesa decidiu-se por um modelo Super Balanced Action Selmer de 1951, instrumento que utilizou nesta gravação (que teve lugar exatamente um ano depois) e desde então. «Sinto que funciona como uma extensão orgânica das minhas ideias. Mudou a minha de tocar no sentido de que me permite não me comprometer.»

A música que aqui se escuta foi gravada na Igreja do Espírito Santo, nas Caldas da Rainha, a 4 de julho de 2021, logo após os constrangimentos pandémicos começarem a diminuir e os concertos a serem novamente permitidos. Construído em meados de quinhentos e objeto de reconstrução no século XVIII, a arquitetura do templo combina elementos maneiristas e barrocos, e revela uma acústica essencial para a pureza do som (nota para a excelente captação, sendo possível discernir tudo, inspirações e expirações e o som das chaves do instrumento). Amado pega em deixas dos mestres (Coleman, Cherry, Rivers, Monk e Rollins), processa-as e integra-as no seu discurso livre, mas ao mesmo tempo claramente norteado por essa constelação referencial. “Refraction Solo”, com selo da austríaca Trost, é resultado de um labor oficinal de desmontagem de temas clássicos do jazz que fazem parte das suas raízes como músico. «Um processo de refração começou a acontecer e pude ouvir esses traços de raízes primitivas misturando-se com a minha própria linguagem improvisada, transformando-a», diz Amado.

O seu saxofonismo idiossincrático, tão mercurial quão focado, encontra aqui uma especial montra, permitindo ao ouvinte descortinar todos os recantos da sua abordagem ao instrumento e à música. “Sweet Freedom”, improvisação inicial, é uma vénia tanto a “Freedom Suite” de Rollins como a Joe McPhee (cujo espectro paira por todo o disco, pela sua «capacidade de se abandonar totalmente à música e também pela sua forma de equilibrar as raízes mais primitivas e puras com uma autêntica vibração espiritual»), através de “Sweet Freedom, Now What”. Com mais de duas dezenas de minutos, revela inicialmente uma melodia relaxada, que se aproxima e afasta, adquirindo adiante outra espessura, num contínuo processo de transfiguração. Momentos mais flamejantes alternam com mais passagens eivadas de uma particular espiritualidade, bem detetável, aliás, noutros momentos da obra do saxofonista. Mas a influência primária aqui é claramente o autor de “Saxophone Colossus” (como na citação a “St. Thomas”, uma dedicatória de Rollins à terra de onde era originária a mãe; comummente creditado ao saxofonista, o tema é baseado no tradicional caribenho “Sponger Money” e este na canção inglesa “The Lincolnshire Poacher”) como acendalhas para ulteriores indagações, como que disputando um jogo de perguntas e respostas de frente dúplice, consigo próprio e com quem o escuta.

“A Singular Blow” parte também em modo respirado, ganhando subitamente rugosidade para logo voltar a um registo fluido e de pendor bluesy tão caro a Amado. “Shadow Waltz”, curta e hipnótica, evolui em torno de um motivo central perscrutado sob diversos ângulos, até terminar num sopro primordial.

Marco no percurso singular de Rodrigo Amado, “Refraction Solo” é um registo indispensável para melhor se compreender a relojoaria íntima de toda a sua obra, grito individual que se desobra numa miríade de ecos.

 

  • Refraction Solo

    Refraction Solo (Trost)

    Rodrigo Amado

    Rodrigo Amado (saxofone tenor)

Agenda

26 Novembro

Tiago Sousa

Cossoul - Lisboa

26 Novembro

Lynn Cassiers, Manolo Cabras e João Lobo “Dancing With Don”

Porta-Jazz - Porto

26 Novembro

Clara Lai, Amidea Clotet, João Almeida e João Valinho

Penha sco - Lisboa

26 Novembro

Orquestra de Jazz de Espinho com João Barradas

Teatro Municipal de Bragança - Bragança

26 Novembro

José Lencastre, Ziv Taubenfeld e Felice Furioso

SMUP - Parede

26 Novembro

Júlio Resende

Fábrica Braço de Prata - Lisboa

26 Novembro

Mariana Dionísio, Clara Lacerda e Romeu Tristão

Adega do Museu Rural e do Vinho - Cartaxo

26 Novembro

Practically Married

Hot Clube de Portugal - Lisboa

27 Novembro

Jorge Moniz “Cinematheque”

Cine-Teatro Louletano - Loulé

27 Novembro

Lynn Cassiers / Manolo Cabras / João Lobo “Dancing With Don”

MAAT - Lisboa

Ver mais