Wiz: “Wiz” (Carimbo Porta-Jazz)

Rui Eduardo Paes

Wiz é um projecto transnacional partilhado por Iago Fernández (bateria), Wilfried Wilde (guitarra eléctrica) e José Pedro Coelho (saxofone tenor), neste disco com o acrescento do trompetista Óscar Latorre em dois temas. E o que está neste álbum de estreia em equação? Primeiro que tudo, o formato canção, ainda que não haja canto propriamente dito. Os temas rondam os três minutos, pouco mais ou pouco menos, com poucas excepções, as estruturas são acentuadamente melódicas e o sopro (ou os sopros quando também lá está Latorre) toma as vezes da voz. Esses vocalismos instrumentais são exponenciados em “Mola”, tema bop tocado em uníssono de tenor e guitarra em que o primeiro mimetiza o “scat”, com a suprema ironia de sabermos que esse estilo vocal é uma mimetização do que fazem palhetas e metais. Pescadinha de rabo na boca.

Em causa igualmente o triângulo instrumental sem contrabaixo, o que, no caso presente, longe de diminuir a vertente rítmica, a torna mais crua de um modo particularmente interessante. E tem como efeito uma exponenciação do que faz a guitarra, assumindo papéis harmónicos, de cola do todo, melódicos e rítmicos. As estratégias desta não correspondem, curiosamente, ao que esperamos de um guitarrismo jazz. Antes incorporam aspectos do rock e até da pop (oiça-se, por exemplo, “Krafla Rid”), sem que daí resulte uma incorporação desses idiomas numa fórmula de fusão. Mais um bastante conseguido disco da Carimbo Porta-Jazz, se bem que fiquemos com a percepção de que estes conceitos poderiam ser levados mais longe na sua tradução prática.