Conversations #1: Condensed

Florian Arbenz / Hermon Mehari / Nelson Veras: “Conversations #1: Condensed” (Hammer Recordings)

Hammer Recordings

João Morado

Se as colaborações são lugar-comum no jazz, há quem a elas recorra apenas para fins utilitários, e outros que, pelo contrário, as consideram como a essência e a força-motriz do desenvolvimento musical. No leque de músicos que se situam no último polo encontramos o compositor e percussionista suíço Florian Arbenz, ele que é um notável caso de alguém que faz deste modo de interacção musical a via primária de criação e aprimoramento técnico e criativo. A título de exemplo, ouvimo-lo recentemente ao lado do saxofonista norte-americano Greg Osby em “Reflections of the Eternal Lines” (2020), trabalho que, passe a prosopopeia, soube fecundar terreno fértil, arado ao longo de mais de 60 anos de experiência conjunta, fazendo dele brotar música de qualidade superior à que, à partida, poderíamos supor, principalmente considerando as “limitações” inerentes à formação em duo percussão-saxofone que esteve na sua base, apesar das mais do que firmadas competências de ambos os músicos.

Ora, o trabalho a que Arbenz se propôs realizar de 2021 em diante segue, pois, novamente este eixo de orientação colaborativo. Assim sendo, em Abril passado o percussionista lançou o primeiro momento de uma ambiciosa série que se desdobrará em 12 conversas, as quais serão conduzidas com recurso a 12 distintas formações de músicos. A conversa primeira, esta que se pode ouvir em “Conversation #1: Condensed”, foi co-protagonizada com o trompetista norte-americano Hermon Mehari e o guitarrista brasileiro Nelson Veras, dupla constituída por elementos de forte personalidade musical, que se entrosou de forma suave com as ideias de Arbenz e contribuiu para a discussão com pensamentos e composições próprias.

Em termos de musicalidade individual, o carácter que cada instrumentista impõe nos temas é bastante diferenciável. Arbenz é um músico de grande versatilidade, não se reduzindo apenas à bateria, antes alternando entre diferentes instrumentos percussivos e registos rítmicos, com abordagens que vão do free jazz a tiradas inspiradas em ritmos de várias regiões do globo. Mehari é trompetista de sopro límpido e eufónico – uma delícia de se escutar! -, fazendo lembrar Kenny Wheeler nos momentos plácidos e Lee Morgan nos buliçosos. Veras é guitarrista delicado – cordas em sua mão são como fios de seda -, com um tocar em que tanto se ouve Kenny Burrell como João Gilberto. Deste modo, um triângulo musical que une a Europa, os Estados Unidos e a América do Sul não poderia não ser ecléctico em influências, sendo essa mácula transposta de modo consciente para os temas do álbum.

Por isso, não estranhamos quando escutamos uma versão de “Olha Maria” de Carlos Jobim ao lado do pós-bop “groovy” de “Boarding the Beat”. Do mesmo modo, a sensibilidade poética capturada em “Let’s Try This Again” não destoa da métrica matemática de “Groove A”, sendo aquela facilmente conciliada com o suspense de “Vibing with Mr. Feldman” e o cool jazz de “Dedicated to the Quintessence”. E, ainda, os modos de “In Medias Res” e “Circle”, mais próximos da música improvisada, fluem suavemente em direcção às versões de “Race Face” (Ornette Coleman) e “Freedom Jazz Dance” (Eddie Harris), interpretações livres que coroam esta belíssima conversa, a qual eleva as expectativas para as que se lhe seguirão.

  • Conversations #1: Condensed

    Conversations #1: Condensed (Hammer Recordings)

    Florian Arbenz / Hermon Mehari / Nelson Veras

    Florian Arbenz (percussão); Hermon Mehari (trompete); Nelson Veras (guitarra)