Zero Grasses: Ritual for the Losses

Jen Shyu & Jade Tongue: “Zero Grasses: Ritual for the Losses” (Pi Recordings)

Pi Recordings

António Branco

Vivemos num tempo sem precedentes, que nos obriga a revisitar valores, prioridades e expectativas. Foi neste contexto, misto de dramatismo e incerteza, que a cantora, compositora e polinstrumentista Jen Shyu (n. 1978) – com origens em Timor-Leste e Taiwan – reativou o seu grupo Jade Tongue para criar um álbum assombroso: “Zero Grasses: Ritual for the Losses”, novamente com chancela da Pi Recordings. A estelar formação completa-se com o trompetista Ambrose Akinmusire, o violetista Mat Maneri, o contrabaixista Thomas Morgan e o baterista Dan Weiss, mestres inovadores por excelência com quem Shyu vem trabalhando regularmente há mais de uma década.

O novo álbum surge na esteira de “Song of Silver Geese” (Pi Recordings, 2017) e do notável “Sounds and Cries of the World” (Pi Recordings, 2015), a propósito do qual a rádio pública dos Estados Unidos disse: «Não é um encontro instantâneo entre culturas musicais, nem uma coleção de elementos exóticos. É investigação e experiência, absorvida e reimaginada». “Zero Grasses: Ritual for the Losses” tem como ponto de partida a morte inesperada do seu pai, Tsu Pin Shyu, em abril de 2019, enquanto dormia tranquilamente uma sesta na sua casa de Houston. Jen estava no Japão a fazer investigação para “Zero Grasses” quando recebeu uma mensagem de correio eletrónico das autoridades do condado dando conta do sucedido.

Semanas depois do funeral, enquanto esvaziava o armário dele, encontrou os seus próprios diários de infância e adolescência. Relê-los acendeu o desejo de levar a cabo uma profunda reflexão sobre ambição, escolhas de vida, racismo, sexismo na indústria, fertilidade e a mãe que pretendia ser. É uma investigação da vida, pois foi o pai quem a inspirou a viver a vida como ela a imaginava. «Desafio-me novamente, começando do zero», afirma Shyu em notas publicadas no sítio da editora na internet.

Em boa parte constituído por material comissariado por John Zorn e estreado ao vivo em outubro de 2019, numa produção multimédia apresentada a solo no National Sawdust em Brooklyn, Nova Iorque, “Zero Grasses” é um tocante exercício de luto e de acerto de contas para as mulheres e pessoas excluídas ou marginalizadas pela sociedade por causa da origem étnica ou da cor da pele, através dos tempos, num processo exacerbado durante esta pandemia pelas tenebrosas forças populistas de todas as geografias.

Para as construções idiossincráticas de Shyu confluem o jazz, a música de tradição oriental, o canto lírico, a “spoken word”. O álbum começa com a suíte “Living’s a Gift” (esta comissariada pelo American Composers Forum), reação emocional aos efeitos da situação pandémica e dividida em quatro andamentos (“Springtime”, “Everything for Granted”, “My Unresolved Regrets” e “Joyful”), onde se reflete acerca do valor da vida, por vezes tão relativizado e perigosamente dado por adquirido. Uníssonos e contrapontos entre múltiplas camadas vocais, num majestoso cômputo polifónico.

A sentida “Lament for Breonna Taylor” foi escrita em 2020 como resposta enérgica ao assassinato da jovem afro-americana, mortalmente baleada no seu apartamento em Louisville, Kentucky, a 13 de março desse ano, e às injustiças ditas e escritas contra o movimento Black Lives Matter (inclui citações da mãe de Breonna, Tamika Palmer). Sinos e gongos introduzem a narrativa, complementada com os sons pesarosos da viola, do trompete, do piano e do contrabaixo, que Morgan toca com arco para densificar a atmosfera. O dramatismo pungente de “The Human Color” (resgatada ao álbum “Jade Tongue”, de 2009) inspira-se na história dos escravos chineses sequestrados por colonizadores portugueses e espanhóis no século XIX para trabalhar ao lado de escravos africanos em Cuba. Akinmusire eleva-se com o seu virtuosismo aveludado.

“A Cure For the Heart’s Longing” e “Display of the Moon” são duas composições retiradas de outra peça a solo, “Nine Doors” (2007), e incluem instrumentação peculiar, cruzando o contemporâneo e o ancestral. Na primeira, Shyu faz-se acompanhar pelo alaúde de duas cordas originário de Taiwan e na segunda pelo som hipnótico da biwa japonesa. Em conjunto com a visceral “When I Have Power”, introduzida pela percussão ritualística de Weiss, são peças onde Shyu utiliza o seu canto de características únicas para revisitar memórias vivas de uma adolescência rica em ataques racistas («Senti-me menosprezada e confusa», «Quando for famosa, vou resolver as coisas»), desafiando estilos e formas convencionais. O seu poder vocal serve ainda na perfeição a intensidade emocional crescente de “Body of Tears”.

Testemunho poderoso, desafiante e extremamente pessoal, “Zero Grasses: Ritual for the Losses” é um álbum que não deixa pedra sobre pedra: os tambores rufam, o combate aguarda-nos.

  • Zero Grasses: Ritual for the Losses

    Zero Grasses: Ritual for the Losses (Pi Recordings)

    Jen Shyu & Jade Tongue

    Jen Shyu (composições, voz, percussão, piano, alaúde de Taiwan, biwa); Ambrose Akinmusire (trompete); Mat Maneri (viola); Thomas Morgan (contrabaixo); Dan Weiss (bateria)