Meersalz: “Grilled Orange” (edição de autor)

Rui Eduardo Paes

Meersalz é um projecto de Leon Baldesberger, trompetista nascido em Faro que fez a sua formação entre o Conservatório Regional do Algarve, “workshops” conduzidos por Zé Eduardo e um mestrado na Escola Superior de Música de Zurique. “Grilled Orange” é o terceiro álbum do grupo que lidera com Miguel Martins na guitarra, Léo Vrillaud no Fender Rhodes, Luís Henriques no baixo eléctrico e João Melro na bateria, lançado nas plataformas digitais ao contrário dos anteriores “Störfaktor” e “Odd Matters”, que tiveram edição em disco. O músico luso-suíço descreve a sua abordagem ao jazz eléctrico como «augmented minimal odd-meter», ou seja, uma combinação entre ritmos complexos e harmonias latas com padrões minimais em que a improvisação, tanto colectiva como desenvolvida nos muitos solos, tem um papel fundamental.

É o que ouvimos, precisamente, ao longo dos temas, o que faz com que o formato já muito batido de fusão entre jazz, funk e rock ganhe características algo inusitadas, entregando-nos uma música que ganha personalidade, interesse e novidade à medida que a vamos ouvindo, num momento ou noutro chegando mesmo a surpreender-nos. Baldesberger não é apenas um bom trompetista – e um trompetista que, coisa nada vulgar num contexto como este, consegue escapar aos determinismos milesianos –, é também um compositor com ideias ambiciosas e originais a que importa darmos atenção. As preferências deste ouvidor vão para a peça inicial, “Citrus”, e para a saltitante “Salamandras”.