Red Trio & Celebration Band: “Suite 10 Years Anniversary” (NoBusiness)

Red Trio & Celebration Band: “Suite 10 Years Anniversary” (NoBusiness)

NoBusiness Records

Rui Eduardo Paes

O início deste concerto e disco, ambos comemorativos da década de actividade com que o Red Trio de Rodrigo Pinheiro, Hernâni Faustino e Gabriel Ferrandini já conta – uma comemoração feita com pompa e circunstância em 2018, juntando 14 músicos ao grupo aniversariante num concerto realizado no Teatro Maria Matos, em Lisboa –, fazem lembrar outro grande ensemble da improvisação portuguesa, a Variable Geometry Orchestra, mais conhecida por VGO, e não só pelo tipo de abordagem textural dos cordofones em acção: ouvimos a viola de Ernesto Rodrigues e o violoncelo de Miguel Mira e se, intrigados, consultarmos a ficha técnica, verificamos que estão lá outros elementos habituais da dita, como Nuno Torres e Carlos Santos.

Às tantas, quando a música já parece instalada e em estado de fluxo, emerge um piano totalmente a despropósito (Pinheiro) que muda os parâmetros camerísticos da música e com ele vêm dois saxofones tenor (aparentemente os de Rodrigo Amado e Pedro Sousa, porque na formação reunida também está John Butcher, que gravou dois discos com os portugueses, “Empire” e “Summer Skyshift”), um trompete (Luís Vicente) e um “drive” cavalgante alinhado com o free jazz. A peça em causa, “Corrente”, não fica por aí: há uma súbita pausa e o que vem a seguir associa computador (o acima referido Carlos Santos) e percussão (David Maranha junta-se a Ferrandini). O que ouvimos nesta parte é uma electroacústica que depois se desfaz com, de novo, o piano, num magnífico solo que persegue os cachos de notas de um Cecil Taylor. Outro solo se proporciona, o do vibrafone de Mattias Stahl, convidado do Red Trio no álbum “North and the Red Stream”, e outro ainda, o do sax soprano de Butcher, que vem acalmar a geral intensidade. Aqui chegados, ficam a solar harmolodicamente (ou seja, em conjunto, sem posicionamentos hierárquicos) o piano (é Pinheiro o autor da peça), o vibrafone, o soprano e o contrabaixo de Faustino. Volta então o trompete de Vicente, furando por entre a massa que vai crescendo até ao “grand finale” e à dissipação conduzida por Ernesto Rodrigues. Uma delícia.

“Mais Vale” introduz uma contenção que não julgávamos possível neste contexto, com notas esparsas do piano, cada som a desvanecer-se no ar, juntando-se um vibrafone que também se dá tempo e depois, finalmente, acrescentando-se outro instrumentário e a voz de Miguel Abreu. Aqui, densidade não significa intensidade, com o autor do tema, Ferrandini, a evidenciar uma contenção que não lhe é, de todo, habitual. O saxofone alto de Nuno Torres ocupa o primeiro plano e a lentidão adoptada ganha uma languidez pouco habitual em actuações do Red Trio. O solo que vem de seguida por parte de Stahl introduz intensidade e a música levanta voo, ainda que de uma forma especialmente lânguida.

Faustino é o responsável da peça que ocupa todo o segundo CD deste duplo álbum. “Ditirambo” arranca aos poucos, dando-se tempo, com súbitos “impromptus” por parte da bateria. De repente, tudo muda, com o piano e o contrabaixo a puxarem todo o conjunto e os inconfundíveis trompete de bolso e trombone alto de Sei Miguel e Fala Mariam, mais o sax tenor de Amado, a ocuparem a linha dianteira. A partir daí instala-se um “free for all” da secção rítmica (do Red Trio colocado como secção rítmica) com os sopros que ora se adensa, ora mingua, de um modo ou de outro dando espaços de acção a vários intervenientes. Os diálogos entre piano e vibrafone colocam-nos de bicos dos pés, mas por uns minutos apenas, para tudo mudar de novo por meio de “drones” adensados pela electrónica. Às tantas, a música transfigura-se de tal modo que mais parece estarmos a assistir à actuação de um grupo electroacústico. Na parte final, despedindo-se, voltamos a encontrar um conjunto alinhado com o free jazz ou a free improv, colocado no dúbio meio-caminho entre os dois âmbitos. Magistral, para não dizer por menos.

  • Suite 10 Years Anniversary (NoBusiness Records)

    Red Trio & Celebration Band

    Red Trio: Rodrigo Pinheiro (piano); Hernâni Faustino (contrabaixo); Gabriel Ferrandini (bateria, percussão) + Celebration Band: Sei Miguel (trompete de bolso); Luís Vicente (trompete); Fala Mariam (trombone alto); John Butcher (saxofones tenor e soprano); Pedro Sousa, Rodrigo Amado (saxofones tenor); Ernesto Rodrigues (viola); Ricardo Jacinto, Miguel Mira (violoncelos); Mattias Stahl (vibrafone); Carlos Santos (electrónica); Miguel Abreu (voz, baixo eléctrico); David Maranha (percussão).