Anthropic Neglect

José Lencastre: “Anthropic Neglect” (Clean Feed)

Clean Feed

Gonçalo Falcão

O disco é liderado por um saxofonista, mas é o diálogo entre o saxofone e a guitarra eléctrica que começa por nos impressionar. Há poucos - muito poucos – guitarristas a tocar neste lado da guitarra e com esta qualidade e, por isso, é o som abstracto, forte, rockeiro, que começa por nos encantar. O quarteto Anthropic Neglect nasceu como trio: Lencastre, Felipe Zenicola (do Rio de Janeiro) e João Valinho apresentaram-se em Dezembro do ano passado na Fábrica do Braço de Prata. Poucos dias depois entraram no Namouche em quarteto, convidando Jorge Nuno (que vem do rock: Signs of the Silhouette) para aumentar as possibilidades sónicas. E ainda bem que o fizeram. Gravaram três temas longos, 40 minutos de jazz para tipos que gostam de rock.

A música é totalmente improvisada e vive de tensões. Há uma constante antecipação que nunca se chega a realizar, como se estivéssemos num filme cuja banda sonora antecipa o conflito. O baixo tem um papel determinante neste processo, pois é ele que, inteligentemente, insere carga e não deixa o diálogo parar construindo contínuos sólidos, quase como ruídos sísmicos, perfeitos para esta forma de tocar guitarra. A ligação entre o som de ambos - baixo e guitarra - é magnífica, em “Concept 2” ouvindo-se com maior perfeição. A guitarra domina e estabelece um diálogo activo com o saxofone, que parece estar sempre à procura de elementos de ligação; nas duas primeiras partes de “Anthropic Neglect” é Jorge Nuno quem parece estar sempre a distribuir jogo e Lencastre a bem o usar. Na terceira e última música é o saxofone que se adianta e arranca com uma frase longa e melódica. Mais uma vez ficamos impressionados com o grande som do baixo, da bateria e da guitarra, que se instalam primeiramente no fundo, deixando o som do sax flutuar, para, progressivamente, emergirem com a guitarra a pegar na ideia de Lencastre e a usar longas linhas eléctricas.

Uma palavra final é devida a João Valinho, fundamental para perceber esta música e a deixar brilhar. Um outro percussionista mais tradicional teria arruinado o som do grupo, que precisa desta lógica rítmica contínua e definida, mas também altamente abstracta, com um óptimo trabalho de tarola e bombo. A única coisa a melhorar é a nomeação das músicas: “Concept 1”, “Concept 2” e “Concept 3”. Deixemos os conceitos  descansados na filosofia, o que aqui temos é um ameaçador camião TIR a viajar pelas grandes estradas norte-americanas, como no “Duel” de Spielberg.

  • Anthropic Neglect

    Anthropic Neglect (Clean Feed)

    José Lencastre

    José Lencastre (saxofones alto e tenor); Jorge Nuno (guitarra eléctrica); Felipe Zenicola (baixo eléctrico); João Valinho (bateria)