The Daily Biological

Chad Taylor Trio: “The Daily Biological” (Cuneiform)

Cuneiform

António Branco

O aspeto que primeiramente nos capta a atenção é a configuração instrumental deste trio, em especial devido à ausência de contrabaixo. Tenhamos presente os relevantes trios de saxofone-piano-bateria que despontaram nos anos mais recentes: Fieldwork, com Vijay Iyer, Steve Lehman e Tyshawn Sorey; Paradoxical Frog, com Sorey, Kris Davis e Ingrid Laubrock; ou o trio formado por Ivo Perelman, Matthew Shipp e Gerald Cleaver. A presença do contrabaixo poderia, porventura, acrescentar uma camada de som mais profundo, novas acentuações rítmicas e, sem dúvida, uma linha de vida. Sem ela pode-se esperar um som mais livre e fluido.

O próprio Chad Taylor (n. 1973) – baterista/percussionista, compositor e pedagogo que se deu a conhecer ao mundo em Chicago e que reside atualmente em Filadélfia – não é alheio ao formato, tendo, por exemplo, formado com o pianista norueguês Håvard Wiik e o saxofonista e clarinetista Ken Vandermark o trio Side A, que nos ofereceu o mui recomendável “A New Margin”, na Clean Feed, em 2011. Muito ativo, Taylor, para além de liderar os seus próprios grupos, fundou com Rob Mazurek os seminais Chicago Underground (formação de dimensão variável que evoluiu em múltiplas direções) e tocou com luminárias como Pharoah Sanders, Fred Anderson, Nicole Mitchell, Matana Roberts, Darius Jones, Marc Ribot, Derek Bailey, Peter Brötzmann, Jeff Parker e Eric Revis, para apenas nomear alguns.

Em “The Daily Biological”, Taylor aliou esforços ao saxofonista Brian Settles, que, entre outras, integra formações lideradas por Tomas Fujiwara, Michael Formanek e Jonathan Finlayson, e ao pianista Neil Podgurski, que conhecemos ao lado de Nicholas Payton, Eric Alexander e Orrin Evans, retomando uma amizade que remonta aos tempos da New School, em meados dos anos 1990.

Os três apresentam uma música cuidadosamente estruturada, mas ao mesmo tempo fresca e desafiante, que evidencia os seus predicados enquanto instrumentistas e improvisadores de alto nível. A ausência do corpulento cordofone é compensada a espaços pelos papéis que os três desempenham, de forma diversa, na cobertura dos registos graves. Em notas de apresentação, Taylor esclarece: «Todas as nossas peças exploram maneiras diferentes de utilizar um trio sem contrabaixo. Tens de ser realmente forte na tua forma de tocar. Eu penso que uma das coisas mais importantes acerca deste trio é tentarmos ser muito independentes uns dos outros.»

A abrir, “The Shepherd”, peça da autoria do saxofonista, funciona com uma carta de intenções do trio, no seu dinamismo exposto em diferentes secções, seja nas linhas sinuosas desenhadas pelo saxofone, no piano borbulhante (belos uníssonos no final) ou na bateria nutrida de detalhes. “Prism” assenta num vívido diálogo entre piano e bateria, que remete para o travo caribenho do bebop de um Elmo Hope, até que o saxofone entra em cena carreando a peça para outros territórios.

Mais aventurosa nas suas múltiplas componentes, “Swamp” conta com um longo solo do saxofonista, que desenvolve motivos serpenteantes, até que a dupla rítmica toma de novo conta das operações, com o pianista a desenvolver linhas angulosas e o baterista a intervir muito para além da mera função de acompanhamento. “Resistance”, da autoria do pianista, começa por exibir o lado mais sereno da música do trio, assente num fragmento melódico que paulatinamente se vai transmutando, num crescendo de intensidade.

Com o seu pendor “free”, “Matape”, original do baterista (que, aliás, já o registou em dueto com o saxofonista James Brandon Lewis), conta com uma prestação vigorosa de Settles sobre as ruminações do pianista e as acentuações sempre certeiras de Taylor. “Birds, Leaves, Wind, Trees” é um dos momentos mais intrigantes do disco, com a exponenciação dos jogos a três. De “Recife”, peça escrita por Taylor a pensar em Geri Allen, avulta o contraste entre o discurso quase trauteável do saxofone e uma incrível tensão polirrítmica.

A jornada encerra com a sua peça mais extensa, “Between Sound and Silence”, cujo início remete para as explorações interestelares de Coltrane e Ali e termina num registo quase camerístico, depois dos muitos ziguezagues dados no ínterim. O epílogo ideal para um disco muito interessante que realça a atenção que devemos a Taylor também enquanto compositor dotado de uma visão musical própria.

  • The Daily Biological

    The Daily Biological (Cuneiform)

    Chad Taylor Trio

    Brian Settles (saxofone tenor); Neil Podgurski (piano); Chad Taylor (bateria)