“In Igma”

Pedro Melo Alves: “In Igma” (Clean Feed)

Clean Feed

Gonçalo Falcão

A música gravada neste disco resulta de uma encomenda feita pela Fundação de Serralves para a edição do ano passado do Jazz no Parque, o magnífico ciclo de concertos de Verão no campo de ténis da casa. A escrita para voz feminina domina o disco e transporta-nos frequentemente para fora dos territórios do jazz e para compositores contemporâneos: ésses sibilados à Lachenmann, invocações da “Sequenza 3” de Berio, as repetições de Meredith Monk e de Phillip Glass ou uma peça de Kagel para coro de vozes infantis sem treino. Três vozes femininas num coro ultraterrestre. Flutuam sobre uma bátega agreste de metais e pedras. Não percebemos se a música fala de bem-aventurança ou se, pelo contrário, preludia uma calamidade. O início do disco coloca-nos num lugar esquisito e a bateria colabora frequentemente nesta deslocação através do uso de “cinematic drums”, invocando imagens como se fosse música para cinema.

Entra o piano, a bateria bate e a voz desce à terra. Parece enlouquecer. A percussão acentua esse desatino. Um contrabaixo a soar a violoncelo tenta compor a situação dando-lhe um sentido palaciano. A voz responde mal a este apelo e a insanidade parece piorar. Surgem metais raspados, acres que nos conduzem a uma descida acompanhada por um contrabaixo obsessivo. Pedro Melo Alves é um baterista associado ao jazz e este “In Igma” foi editado por uma editora de jazz. São estas as pistas que nos levam a presumir que parte do material é improvisado, parte definido pelo baterista do Norte (o que não invalidaria a sua apresentação nos catálogos da Kairos, da Montaigne ou de outra editora dedicada à composição contemporânea – estas áreas tocam-se frequentemente e a ECM, por exemplo, tem a New Series precisamente por este facto). Também aqui estamos entre o jazz e a escrita contemporânea. A presença da voz é um dos elementos fundamentais, pois é este som humano que vai moldando o percurso da música e o modo como a interacção se dá.

O grupo instrumental montado por Pedro Melo Alves para este projecto - que vai estabelecer o diálogo com as vozes - não poderia ser mais prometedor. Eve Risser está ao piano, provavelmente uma das vozes mais extraordinárias e inovadoras neste instrumento nos últimos anos. O seu disco "Après un Rêve" é uma das obras-primas que ouvi nos últimos anos em piano solo. Mark Dresser toca o contrabaixo, Abdul Moimême a guitarra e Pedro Melo Alves a bateria. As intervenções de todos eles são excelentes. Eis um disco de jazz especial, com uma música delicada que deixa o ouvinte sempre numa zona instável, fina, desequilibrante, capaz de manter a música surpreendente usando quase sempre os mesmos elementos sonoros. Jazz para a secção “um certain regard”.

  • “In Igma”

    “In Igma” (Clean Feed)

    Pedro Melo Alves

    Aubrey Johnson, Beatriz Nunes, Mariana Dionísio (vozes); Eve Risser (piano); Mark Dresser (contrabaixo); Abdul Moimême (guitarra eléctrica, objectos); Pedro Melo Alves (bateria, percussão)