Ig Henneman / Jaimie Branch / Anne La Berge: “Dropping Stuff and Other Folk Songs” (Relative Pitch)

Rui Eduardo Paes

A história do jazz e da música improvisada tem sido maioritariamente “escrita” por grupos formados exclusivamente por homens, tendo esta área da criação musical urbana adquirido um carácter masculino na própria expressão e nos processos que aplica. Em reacção contra esse estado de coisas, nestes últimos anos muitas têm sido as formações que vão surgindo com intervenientes femininas e uma postura de diferenciação / reinvenção das coordenadas em causa. Estranho é que, só agora, alguns “velhos do Restelo” venham clamar com o argumento do separatismo de género, quando era esse precisamente o modelo que estava instituído desde há muitas décadas. É toda uma atitude que assim se manifesta: se querem que o jazz seja uma questão de testosterona, tomem lá jazz estrogénico. O trio formado pela holandesa Ig Henneman (viola) e pelas norte-americanas Jaimie Branch (trompete) e Anne La Berge (flauta, esta há muito radicada em Amesterdão) é um desses casos.

No título está já indicado o conceito colocado em prática, designadamente quando se refere que o disco é composto por “folk songs”. Não porque tal seja literalmente verdade: o que se verifica é que Henneman (uma das figuras mais marcantes do “new Dutch swing”, em colaborações com Ab Baars, Wilbert de Joode ou Wolter Wierbos, e outras, internacionais, com Ingrid Labrock, Axel Dorner e Phil Minton), Branch (que encontramos habitualmente ao lado de Ken Vandermark, Jason Stein, Jeb Bishop ou Keefe Jackson) e La Berge (baluarte do actual experimentalismo electroacústico holandês) se propõem substituir a fórmula “virtuosismo instrumental / cerebralismo das estruturas” por um trabalho ao nível do timbre e do som, preferindo sempre a mais directa via da simplicidade. Tanto assim que, se é possível detectar nas peças de “Dropping Stuff…” a escolaridade clássica do trio, o facto de duas das integrantes, Henneman e Branch, terem passado por bandas de rock nos seus percursos pessoais faz-se sentir pelo imediatismo e pela eficácia com que a música nos é entregue. Aqui está algo para ouvir atentamente e pensar sobre…