Avec le Temps

Giovanni Guidi Trio & Quintet: “Avec le Temps” (ECM)

ECM

Gonçalo Falcão

Temos recebido regularmente excelentes notícias jazzísticas de Itália, que confirmam que o país está a todo o pano no jazz. Esta é mais uma certificação da boa forma italiana: temos de dar ouvidos aos italianos (no jazz pela positiva, na política para não cairmos no mesmo lodaçal). Segundo disco da ECM com um português, segundo de João Lobo na editora, segundo com Giovanni Guidi a liderar (o primeiro foi "This is the Day” em 2015). Não é uma inauguração mas, ainda assim, é um momento especial por causa da música.

Acabado de sair, grava novamente o grupo que integra originalmente o contrabaixista Thomas Morgan (desde que o vi tocar ao vivo em Portalegre não tenho dúvidas de que é um dos melhores contrabaixistas de jazz da actualidade) e o baterista português. Esta secção rítmica é uma peça fundamental para caracterizar o som do pianista, pois é ela que constrói a individualidade a partir da qual o teclado sobressai.

O álbum abre com “Avec le Temps”, um ícone de Leo Ferré, escrito, composto e cantado em 1971. A sua trágica beleza tornou-a num êxito naquela altura e hoje é ainda uma das “chansons” francesas mais recorrentes. A interpretação sentida da canção de amor e perda de Ferré completa-se e constrói sentido com o tema que encerra o CD, “Tomasz”, dedicado a Tomasz Stanko, que morreu em Julho de 2018. Entre o fim e o início o grupo alarga-se de trio para quinteto com a adição do saxofone de Francesco Bearzatti e da guitarra de Roberto Cecchetto, que acrescentam outras cores. A expansão mostra-nos que conseguem sair dos tempos lentos com esmero, tocando com força e intensidade. O som da formação extendida é muito interessante e contemporâneo, usando os recursos expressivos aprendidos com a experimentação e com a improvisação total, num formato mais organizado e melódico.

O contrabaixo de Morgan – vamos repetir – é único. Tem uma capacidade enorme de tocar com alma e surpresa e ao mesmo tempo parece ter um ouvido sobredotado para se alinhar no tempo e antecipar as mudanças de tonalidades dos improvisadores. Não é um contrabaixista que “suporta”: assume o diálogo melódico com os outros solistas, com uma fluência e uma técnica no contrabaixo absolutamente espantosas. João Lobo traz uma nova leitura da bateria para a ECM: integra-se na tradição da casa no trabalho dos pratos (DeJohnette, Motian, Christensen), mas acrescenta um uso muito livre e descomplexado da bateria, agregando sons que não vêm da tradição clássica e sim de práticas traficadas da improvisação total.

Guidi e Cecchetto tocaram com Enrico Rava (Cecchetto foi durante oito anos um membro do Rava Electric Five), pelo que a chegada deste projecto é mais uma pedra num edifício que reconhece o enorme lirismo dos italianos e o seu gosto em desafiar normas e convenções. Uma qualidade que também temos.

  • Avec le Temps

    Avec le Temps (ECM)

    Giovanni Guidi

    Giovanni Guidi (piano); Francesco Bearzatti (saxofone tenor); Roberto Cecchetto (guitarra eléctrica); Thomas Morgan (contrabaixo); João Lobo (bateria)