Julius Gabriel / João Pais Filipe: “Paisiel” (Lovers & Lollypops)

Rui Eduardo Paes

O saxofonista alemão Julius Gabriel é mais um de muitos casos de músicos de outros países que escolheram Portugal para viverem, no seu caso tendo-se fixado na cidade do Porto. E se continua envolvido em projectos do outro lado da Europa (como, por exemplo, a orquestra The Dorf, já nestas páginas comentada), por cá encontramo-lo em três, o grupo Ikizukuri, fundado com Gonçalo Almeida e Gustavo Costa (este de existência intermitente pelo facto de Almeida, o baixista, residir na Holanda), o duo que mantém com o baterista José Marrucho e este que ouvimos em “Paisiel”, formado com João Pais Filipe, baterista que já passou pelos Failing Better! e que encontramos nos Pedra Contida e nos HHY & The Macumbas.

A parceria cobre os vários interesses musicais de ambos os intervenientes, pelo que não se trata de um simples duo de saxofone (tenor e barítono) e bateria (com percussão diversa incluída, ou não fosse Pais Filipe um renomado construtor de pratos, gongos e outros instrumentos de metal) dentro do molde definido pela vertente free do jazz. A constante intervenção de dispositivos electrónicos, manipulados pelo próprio Gabriel, leva a música muito para além desse âmbito, ainda que sem o contrariar. As sustentações rítmicas têm um carácter ritualista e remetem-nos directamente para África, com o tema “Cause Yourself to Rise, Gong” a inspirar-se, até, no afrobeat, mas é outro o universo que regra geral habita – um universo não muito distante do dos HHY e que tem paralelos óbvios com o que em Lisboa fazem os Alforjs. Sun Ra estará na ascendência desta proposta, mas os desenvolvimentos são acentuadamente mais experimentais. O esqueleto das peças, fornecido pelo baterista, é minimalista e repetitivo, com pequenas variações a surgirem em cada padrão. O sax e a electrónica dão carne às figuras que se vão formando, parecendo querer fugir às elipses construídas pelas muito estruturantes baquetas. É com este tipo de relação que “Satellite” e “Limousine in the Desert” nos entusiasmam.