7 de Maio de 2018

Pedro Melo Alves

O seu nome começou por ganhar destaque como o baterista do The Rite of Trio, que este ano vai tocar ao Jazz em Agosto da Gulbenkian, mas ganhou ainda maior projecção quando, em 2017, lhe foi entregue o Prémio de Composição Bernardo Sassetti, em louvor da escrita que dedicou ao Omniae Ensemble. Depois vieram um projecto de bateria solo com electrónica e o grupo Symph, este entrando pelos carreiros de um jazz electroacústico e experimental. Por detrás de toda esta actividade estão escutas diversas. As que se seguem…

 

Queen: ...

Ler mais

12 de Abril de 2018

Hugo Antunes

De regresso a Portugal depois de alguns anos passados em Bruxelas, onde esteve envolvido em vários projectos, o contrabaixista originário do Barreiro retomou com uma digressão realizada em Março passado o grupo que na Bélgica mantinha com Giovanni Di Domenico e João Lobo, Cornettada, e ouvimo-lo ainda recentemente com o novo projecto electroacústico de Pedro Melo Alves, Symph. Músico sempre orientado para várias frentes, já lhe conhecemos colaborações internacionais com Agustí Fernández, Roger Turner, Nate Wooley e Paul Lovens e nacionais com Carlos “Zíngaro”, Miguel Mira, Rodrigo Amado e João ...

Ler mais

10 de Abril de 2018

João Clemente

jazz.pt

Num grupo – Slow is Possible – que se apresenta como não tendo líder, é o guitarrista da Covilhã, hoje radicado em Berlim, o mentor, ou pelo menos o eixo em torno do qual os outros membros do sexteto se conjugaram, bem como o projecto musical que vem perseguindo, um misto cinematográfico de jazz com rock e música erudita. Depois do sucesso do seu álbum homónimo de apresentação, o novo “Moonwatchers” tem conquistado igualmente os favores da crítica internacional e de um número crescente de ouvintes. Os Slow is Possible ...

Ler mais

9 de Abril de 2018

Beatriz Nunes

jazz.pt

Conhecida do grande público como a voz dos Madredeus desde 2011, a cantora do Barreiro tem igualmente feito um trajecto na área do jazz, em colaborações tão distintas quanto as que manteve com Afonso Pais e com The Rite of Trio, culminando na edição do seu álbum de estreia em nome próprio, “Canto Primeiro”. Neste, junta ao jazz o seu gosto pela música popular portuguesa e pela clássica, com versões de um tema de José Afonso (“Canção da Paciência”) e de outro do cancioneiro tradicional do Alentejo (“Aurora Tem Um ...

Ler mais

23 de Fevereiro de 2014

Luís Lopes

O seu “Live in Madison”, com o Humanization Quartet, esteve em muitas listas internacionais dos melhores discos de 2013, e foi igualmente bem recebido, no ano passado, o álbum que lançou em suporte de vinil, “Noise Solo”. Com vagas influências de Sonny Sharrock e uma postura punk, é um dos guitarristas mais desformatados das cenas do jazz e da música improvisada em Portugal, como ouvimos em discos do catálogo Clean Feed partilhados com músicos como Christian Lillinger, Joe Giardullo ou Benjamin Duboc. Estes são os 30 discos que mais marcaram ...

Ler mais

28 de Outubro de 2013

Gonçalo Prazeres

Tem o saxofone alto como instrumento principal, mas também toca as variantes soprano, tenor e barítono. Licenciou-se no Berklee College of Music, de Boston, e está agora a fazer o mestrado na Escola Superior de Música de Lisboa. O seu primeiro disco em nome próprio, “Depois de Alguma Coisa”, foi lançado em 2010 e acaba de sair “Monster’s Lullaby”, álbum em que o encontramos com o grupo Trisonte. Integra ainda os Grip 5, de Ricardo A. Freitas. São estes os 30 discos que mais ouviu e não empresta a ninguém. ...

Ler mais

4 de Setembro de 2013

Miguel Mira

Arquitecto, pintor e professor universitário além de músico, este contrabaixista que também utilizou o baixo eléctrico e a guitarra baixo acústica centrou-se nos últimos anos no violoncelo, afinando este em quartas como um contrabaixo e utilizando-o, regra geral, com essas funções.

Um veterano nas lides do jazz (com episódicas incursões pelos blues e pelo rock), tendo percorrido praticamente todas as suas tendências desde o “mainstream” ao free e à música livremente improvisada, com passagem pela fusão, tocou com músicos nacionais tão diversos quanto Emílio Robalo, Celso de Carvalho, António Ferro, ...

Ler mais

24 de Julho de 2013

Travassos

Músico electroacústico na área da improvisação livre, integra os projectos Pão e Pinkdraft, entre outros, em simultâneo desenvolvendo actividade como “designer” (são suas as capas da etiqueta discográfica Clean Feed), editor (é o responsável da Shhpuma) e programador de festivais, com destaque para o Rescaldo. Faz parte da equipa da Trem Azul Jazz Store, em Lisboa, tendo antes passado pela secção de jazz da “megastore” da Valentim de Carvalho em Aveiro e pela empresa catalã CDN – Competitive Design Network. São estes os discos da sua vida… (foto de Vera ...

Ler mais

20 de Maio de 2013

Rodrigo Pinheiro

Com estudos clássicos realizados a partir dos 5 anos de idade nos conservatórios da Covilhã e de Lisboa, desde jovem que se dedica a uma prática da improvisação no cruzamento das influências do jazz e da música erudita contemporânea. Tendo como principais influências no seu estilo pianístico Thelonious Monk, Cecil Taylor, Gyorgy Ligeti e Olivier Messiaen, estudou com músicos como Carlos “Zíngaro”, Peter Kowald, Gunter Muller e Patrick Brennan.

Ouvimo-lo já a tocar com John Zorn, Nate Wooley, John Butcher, Lotte Anker e Jason Stein, entre outros. É membro fundador ...

Ler mais

16 de Abril de 2013

Marco Barroso

É o fundador, compositor e director da “big band” LUME (Lisbon Underground Music Ensemble), na qual toca piano e dirige a interpretação comum das suas próprias peças – o disco de estreia da formação foi editado em 2010 pela JACC Records. Participou em eventos como Festival de Músicas do Mundo de Sines, Festa do Avante, Festa do Jazz, Música Portuguesa Hoje, Jazz no Parque, CCBeat, Imaxinasons - Festival internacional de Vigo, Seixal Jazz, A Arte da Bigband, InJazz, Festival Jazz.pt, Festival Internacional de Música de Coimbra, JazzMinde e Jazz no ...

Ler mais

6 de Abril de 2013

Marcelo dos Reis

Nascido a 20 de Dezembro de 1984 em Lisboa, iniciou a sua actividade como músico em bandas de rock alternativo e experimental. Após estudar música formalmente, dedicou-se ao jazz e à improvisação livre, sendo a guitarra clássica o seu principal veículo de expressão.

Tem colaborado com músicos como Burton Greene, Elliott Sharp, Burkhard Beins, Manuel Mota, Liz Allbee, Angélica Salvi, Carlos “Zíngaro”, Werner Dafeldecker, Toshimaru Nakamura e Kátia Sá, entre outros. Integra o Open Field String Trio. Co-organiza com José Miguel Pereira o Double Bill – Ciclo de Música e ...

Ler mais