, 11 de Março de 2022

Ron Miles (1963-2022)

fotografia: Elliot Ross

O trompetista, cornetista e compositor Ron Miles (1963-2022) morreu na passada terça-feira aos 58 anos de idade. Ficou conhecido pela serenidade de seu som, pouco dado a vertigens ou explosões, embora também mostrasse ser capaz de construir paisagens sonoras mais abstratas. A sua música sempre foi detalhada e eficaz na transmissão de emoções – em especial no contexto das suas próprias composições, em que combinava esse lado com um universo harmónico tipicamente americano.

«Se tocares uma música de Ron Miles da forma certa, na melhor das disposições estás a chorar», disse o pianista Jason Moran à NPR, a rádio pública norte-americana. O temperamento gentil e ao mesmo tempo seguro de Miles também fica nas memórias do guitarrista Bill Frisell, de quem era colaborador há três décadas, e do baterista Brian Blade, com quem tocou num conjunto de diferentes configurações instrumentais. Miles liderou um trio com Frisell e Blade durante vários anos. Miles e Blade gravaram também “Still Dreaming” (2018), integrando uma formação liderada pelo saxofonista Joshua Redman e com o contrabaixista Scott Colley, numa homenagem ao lendário grupo Old and New Dreams, onde pontificava Dewey Redman, pai de Joshua. Miles tocou também com a guitarrista Mary Halvorson, em particular no álbum “New American Songbooks, Volume 1”, de 2017. Dos já longínquos anos 1990 vêm dois álbuns que merecem nota especial: “My Cruel Heart” (1996), para um coletivo de 14 músicos, e “Woman´s Day” (1997), com Frisell, o contrabaixista Artie Moore e o baterista Rudy Royston. Em 1992, andou em digressão pela Europa com a Mercer Ellington Orchestra para promover o musical “Sophisticated Ladies”. O seu trabalho foi amplamente reconhecido como diretor musical e arranjador no álbum de Ginger Baker “Coward of the County” (1999).

Ron Miles também pode ser escutado em dois discos do grupo Snowy Egret, liderado pela pianista Myra Melford, em especial o magnífico “The Other Side Of Air” (2018), e numa série de álbuns do tenorista Fred Hess, de Denver, até à morte deste, em 2018. Desde o início da década de 2000 surgiu também frequentemente associado ao bluesman Otis Taylor. Entre os seus álbuns mais recentes contam-se “I Am a Man”, de 2017, e “Rainbow Sign”, de 2020, o primeiro para uma grande editora (a Blue Note), à frente de um quinteto de luxo com Frisell, Moran e Blade, a que se juntava o contrabaixista Thomas Morgan.

Ronald Glen Miles nasceu em Indianápolis e mudou-se para Denver, em parte porque os pais pensavam que o ar da montanha faria bem à sua condição de asmático. Pegou pela primeira vez num trompete aos 11 anos de idade, durante um curso de verão. As suas primeiras influências nada tinham a ver com o jazz, com os Bee Gees e os Jackson 5 à cabeça. O jazz entrou na sua vida numa escola secundária frequentada por Bill Frisell uma dúzia de anos antes. Estudou música na Universidade do Colorado em Boulder e fez uma pós-graduação na Manhattan School of Music, período em que gravou “Distance for Safety” (1987) para a obscura Prolific Records, com o contrabaixista Mark Simon e o baterista Mark Fuller. A sequela, “Witness”, chegaria dois anos depois. Regressou a Denver, onde começou a dar aulas e se tornou numa figura fundamental da cena local. Foi Diretor de Estudos de Jazz na Universidade Estadual Metropolitana de Denver.

A presença de Ron Miles em Denver, longe dos grandes centros do jazz, como Nova Iorque, Boston ou Chicago, não contribuiu para impulsionar a sua carreira, a que se juntava uma aversão nata à autopromoção. Tinha nos planos participar no início deste ano do Festival Big Ears, em Knoxville, Tennessee, mas o declinar do seu estado de saúde obrigou-o a cancelar a participação. Os restantes membros do quinteto irão agora atuar em sua honra. Nas notas de capa de “I Am a Man”, Miles refletiu acerca da motivação primeira para a sua música: «O amor é o que mais alimenta o meu trabalho. O amor pelos meus colegas músicos, o meu amor pelo público, o meu amor pela tradição da qual faço parte.»

 

Agenda

03 Julho

MenatJazz Ensemble

Parque Verde – Centro de Interpretação da Serra da Estrela - Seia

03 Julho

Zé Cruz Quarteto

Parque Urbano de Miraflores - Oeiras

03 Julho

Eduardo Cardinho / Zé Eduardo / Marcelo Araújo

Cantaloupe Café - Olhão

03 Julho

Garfo

Castelo de Leiria - Leiria

03 Julho

Big Band da EPSE com Jacinta e Mónica Ferraz

Parque Verde – Centro de Interpretação da Serra da Estrela - Seia

04 Julho

Funchal Jass Rhythm Kings

Yellow Bus - Funchal

04 Julho

Jorge Borges 5teto + Bruno Santos Almmond 3

Funchal Jazz - Jardim Municipal - Funchal

05 Julho

Décio Abreu 4teto + Vânia Sings Ella

Funchal Jazz - Jardim Municipal - Funchal

05 Julho

Luís Lopes e Hugo Costa

Jazz Messengers - Ler Devagar - Lisboa

05 Julho

Gabriel Bruce com Eduardo Cardinho, João Barradas e Diogo Alexandre

BOTA - Lisboa

Ver mais