, 16 de Janeiro de 2020

TextuAlive: vai nascer um novo projecto

Os frequentadores dos concertos de música improvisada que vão ocorrendo por aí já se habituaram à presença de uma pessoa que, quase sempre na primeira fila, desenha os músicos que tocam e com as cores reage ao que ouve, Rita Draper Frazão. Outro modo de expressar os sons tem Margarida Azevedo: escreve sobre o que ouve com o mesmo repentismo, a exemplo dos pequenos contos que divulgou após a actuação de The Attic na SMUP no início deste mês de Janeiro. Só que, no novo projecto TextuAlive, a escritora (acaba da publicar o livro “Orfeu e os Seus Avôs em Busca do Tosão”, descrito pela própria como uma «comédia pornográfica gay») e bloguista (Devaneios Menstruados) vai fazê-lo no palco, ao lado do violoncelista Miguel Mira e do contrabaixista Hernâni Faustino, com as frases a serem projectadas em tempo real numa tela.

A estreia pública de TextuAlive está marcada para 25 de Janeiro, às 17h30, no Open Day que o Osso Colectivo está a organizar no seu espaço em São Gregório, Caldas da Rainha. De 22 até esse dia o trio estará em residência artística no mesmo local e outras datas consequentes já foram agendadas, sempre associando música e escrita ficcional, esta seguindo a tradição do automatismo literário estabelecida por Tristan Tzara e André Breton. A esta metodologia chama Margarida Azevedo «textualizar no improviso», com a particularidade de permitir viagens «que não terão como início “era uma vez…”».