, 19 de Novembro de 2018

Festival Porta-Jazz traz Morgan, Cheek, Talmor e Sacks ao Porto

Está já divulgada a programação do Festival Porta-Jazz de 2018, naquela que é a sua maior edição de sempre, este ano propondo-se como «ponto de encontro internacional», por meio de «intercâmbios inéditos entre músicos de jazz». De 1 a 9 de Dezembro, em diversos palcos do Porto (Teatro Rivoli, Casa da Música, FEUP, Passos Manuel, ESMAE, Igreja de Cedofeita, Hot Five, Casa de Ló, Sala Porta-Jazz) o evento maior da associação Porta-Jazz vai dar a conhecer tanto músicos já consagrados como toda uma geração de artistas emergentes daquela cidade, em muitos dos casos no contexto de parcerias com figuras do estrangeiro e de outros pontos do País. Segundo a organização, trata-se de «uma celebração do jazz aberta a todos», visando o convívio e a troca de experiências – e daí a fórmula Clubedo, com a qual se fecharão os serões.

O arranque faz-se no final da tarde de dia 1 no mais emblemático dos espaços de actividade da Porta-Jazz, a sua própria sala, com o luso-brasileiro Frederico Heliodoro Quarteto. Já à noite, no mesmo local, vez para o Shu Shaz Quintet, reunindo músicos da República Checa, do Reino Unido e de Itália. Na Casa de Ló, seguem-se os ingleses JZ Replacement. A 2, tocam, na Casa da Música, Demian Cabaud com o seu projecto “Astah” e o “Oxy Patina” de Mário Costa. A “triple bill” termina no Hot Five com o trio de Pedro Neves, João Paulo Rosado e Miguel Sampaio.

No dia 3 de Dezembro, a Igreja de Cedofeita recebe Susana Santos Silva e os suecos Torbjorn Zetterberg e Hampus Lindwall, este em órgão de tubos. Na Casa de Ló tocam Miguel Meirinhos, Yudit Almeida e João Cardita. A 4 o festival muda-se para a ESMAE, primeiro com os pLoo a apresentarem o seu “Pele de Papel” e depois com uma “jam session”. No dia seguinte, na FEUP, apresenta-se o Gonçalo Marques Quarteto, com o trompetista a fazer-se acompanhar por Jacob Sacks, Masa Kamagushi e Jeff Williams. Na Casa de Ló, estarão Eurico Costa, Demian Cabaud e José Marrucho.

A 6 vai-se para o Passos Manuel, com Cotovelo, ou seja, a formação que esteve na sessão Guimarães Jazz / Porta-Jazz #4, e depois o grupo de Eliot Zigmund, Manel Fortià e Carlos Azevedo. No Rivoli, estarão no dia 7 José Soares com dois convidados holandeses, Joris Roelofs e Harmen Fraanje, e os MAP com Chris Cheek (foto acima) como convidado. A Casa de Ló aguarda por Ricardo Moreira, Nuno Campos e Ricardo Coelho. No dia 8 são quatro os concertos no Rivoli, começando-se ao fim da tarde com o “Passarola Voadora” de José Pedro Coelho e os Hang em High de Lucien Dubuis, Bond e Alfred Vogel. Para o serão estão marcados Marcos Cavaleiro com Thomas Morgan, o Coreto com Ohad Talmor como “special guest” e o ESMAE Jazz Ensemble a abrir mais uma “jam session”.

Nova maratona acontece no último dia do Festival Porta-Jazz, com a banda transnacional Intensivstation, o “Idiosyncrasies” de Alexandre Coelho e a Porta-Jazz / Bezau-Beatz Reunion, juntando músicos portugueses e austríacos actuando na Sala Porta-Jazz. Às tantas, o Hot Five fecha a festa com o trio de Paulo Gomes, João Paulo Rosado e Filipe Monteiro.