Que Jazz É Este?, 18 de Julho de 2022

Que Jazz É Este?

Que jazz é aquele?

texto: Nuno Catarino

O festival Que Jazz É Este? realiza-se em Viseu e chega este ano à sua 10.ª edição. O festival é marcado, mais uma vez, pela assumida diversidade da programação, que inclui projetos como Pedro Moreira Sax Ensemble, José James, Spinifex Sings, Karyna Gomes, Peixe-Boi e Manuel Linhares, entre outros. Estivemos à conversa com Ana Bento - da direção da associação Gira Sol Azul, que promove o festival - que numa pequena conversa nos apresenta o festival.

Ana Bento começa por fazer uma apresentação desta edição do festival: «Esta é a 10.ª edição, dez anos do festival Que Jazz É Este?, um festival que é reflexo da génese da associação que o promove, a Gira Sol Azul. É fruto do encontro de jovens naturais ou residentes fora dos grandes centros de formação e produção cultural mas com a vontade comum de fazer, criar, experimentar e partilhar mantendo-se em constante aprendizagem e aperfeiçoamento. Esta é mais uma edição eclética, diversificada e acessível, que ocupa preferencialmente espaços públicos. Entre 20 e 24 de julho o festival acontece em Viseu e integra 11 concertos para público em geral, 5 concertos em formato ambulante na rua, 5 concertos ao domicílio, 3 jam sessions, 3 conversas, 20 horas de rádio ao vivo e 5 sessões cinema musicado ao vivo. A propósito dos 10 anos do festival estará ainda patente a exposição “Que Jazz É Este? Pré-História e 10 anos de História” que traz à luz projetos das últimas décadas relacionados com o aparecimento do festival de Jazz de Viseu: da Orquestra Cine Jazz (anos 40), ao grupo rock Os Tubarões (anos 60), Quinteto de Jazz de Viseu (anos 80), à 1.ª edição do Workshop de Jazz de Viseu (2008), até se chegar à história do festival que começa em 2013.»

A diretora explica as linhas que guiaram a programação deste ano: «A programação do festival assenta em três pilares fundamentais. Um deles é a programação de concertos que, a par de integrar o trabalho que é desenvolvido localmente e que pretende deixar marcas, pretende também colocar a região no mapa incluindo concertos únicos, especialmente internacionais. Ainda quanto à programação de concertos procuramos sempre integrar bandas de artistas emergentes e também contribuirmos para a circulação de projetos nacionais de relevo. Outro pilar é o da formação profissional na área da música em que pretendemos dar continuidade ao trabalho de proximidade com músicos em formação estabelecendo parcerias com escolas profissionais e desenvolvendo o Workshop de Jazz de Viseu, um espaço de trabalho intensivo sempre orientado por músicos de relevo que são simultaneamente ótimos formadores. Por último, mas não menos importante, uma das linhas que caracteriza desde sempre o nosso trabalho, quer no âmbito do festival quer enquanto associação cultural e nos vários projetos que desenvolvemos, é o procurar formar sempre novos públicos, indo ao encontro das pessoas e para isso pensamos numa série de atividades paralelas aos concertos e algumas, como o jazz ao domicílio, que vai literalmente à porta das pessoas que estão privadas de vir aos espaços que o festival ocupa.»

O festival tem apostado na diversidade de eventos e, além dos concertos, apresenta jazz na rua, workshops, conversas, rádio, filmes musicados... Será esta diversidade é uma forma de levar o jazz a mais pessoas? «Sem dúvida. Pessoas de gerações e naturezas diferentes e pessoas que também têm interesses diferentes dentro de um interesse comum que é o encontro e desfrutar do jazz, da música.» Sendo a primeira edição em muito tempo sem restrições pandémicas, Ana Bento fala sobre a expectativa para esta edição do QJEE: «Na realidade a expectativa é apenas de em termos de equipa que organiza e produz estarmos um pouco mais tranquilos e também nós podermos desfrutar do festival. Isto porque nos dois últimos anos conseguimos manter o festival e excedemos todas as expectativas quer em termos de afluência de público quer relativamente à forma como o festival aconteceu. Mas foi muito desgastante para a equipa, uma verdadeira montanha russa de emoções e um constante exercício de ultrapassar obstáculos para tornar possível cada edição. Agora a expectativa é de festa, de celebração destes dez anos e de alimentar a vontade de um futuro bonito e duradouro para o festival e os seus mais variados públicos.»

O Que Jazz É Este? já não é só um festival, é também um ciclo de concertos que acontecem ao longo do ano. Terá já o Que Jazz É Este? conquistado o seu espaço? «O Que Jazz É Este foi conquistando o seu espaço de forma muito natural e orgânica mesmo antes de existir formalmente como Que Jazz É Este?. O festival surgiu não só do desenvolvimento do Workshop de Jazz que começou uns anos antes, mas também na sequência de concertos e jam sessions regulares que fomos organizando em Viseu desde que a Gira Sol Azul foi fundada (2006). O festival foi um marco, um consolidar dos objetivos e pilares que referi há pouco. Simultaneamente, como festival, afirmou-se e conquistou o seu espaço de excelência, não só, mas também, na cidade onde acontece e isso fez-nos também sentir a responsabilidade de ao longo do ano alimentarmos e estarmos mais próximos de um público fiel e sempre ávido das propostas que fazemos. No âmbito do ciclo que acontece ao longo do ano, para além da programação de concertos, procuramos fazer pontes entre músicos de diferentes gerações, naturezas e geografias, promovendo residências artísticas que resultam em concertos únicos e especiais que têm sido muito apreciados por todos os que já puderam assistir.»

Agenda

29 Novembro

Sélène Saint-Aimé

Teatro da Trindade - Lisboa

29 Novembro

Mariana Dionísio e João Pereira “Tracapangã”

Hot Clube de Portugal - Lisboa

30 Novembro

Sul

Museu Nacional Soares dos Reis - Porto

30 Novembro

Miguel Ângelo Quarteto

Teatro Municipal de Bragança - Bragança

30 Novembro

Gonçalo Sousa e Francesca Guatteri

Fábrica Braço de Prata - Lisboa

30 Novembro

Orquestra Jazz de Matosinhos com Chris Cheek

Casa da Música - Porto

01 Dezembro

Manuel Oliveira, Rodrigo Correia, Alexandre Frazão e Tomás Marques

Fábrica Braço de Prata - Lisboa

01 Dezembro

Sul

Hot Clube de Portugal - Lisboa

02 Dezembro

João Lencastre Free Celebration

SMUP - Parede

02 Dezembro

Júlio Resende

Fábrica Braço de Prata - Lisboa

Ver mais