Leo Genovese Trio: “Trippeiros – Live at Porta-Jazz” (Carimbo Porta-Jazz)

Rui Eduardo Paes

Figura habitual nos palcos portugueses, devido às suas colaborações com músicos nacionais ou que por cá estão radicados (caso do também argentino, mas tornado portuense, Demian Cabaud, membro do seu trio e como tal presente em “Trippeiros”), o pianista e compositor Leo Genovese já não é apenas um fundamental membro do grupo de Esperanza Spallding e um ilustre músico trintão que teve a oportunidade de tocar com os grandes Wayne Shorter, Herbie Hancock, Jack DeJohnette e Joe Lovano – é um “compagnon de route” do nosso jazz, para este estando a contribuir com a sua já proverbial generosidade.

Com o cubano Francisco Mela na bateria como terceiro elemento, também ele dispondo de um preenchido currículo que cita associações com grandes como McCoy Tyner, Gary Bartz, Kenny Barron, JoAnne Brackeen e John Scofield, o que este disco nos oferece é um jazz de gestação “mainstream” (ou seja, fiel à tradição do género) que acaba por não corresponder às características desse tipo de abordagem, devido à imensa criatividade do líder e a um misto de não-conformismo e excentricidade tanto quando improvisa como na própria escrita, seguindo sempre pelo lado menos óbvio e menos fácil. Os temas “Hoshereq” e “Signs of Transcendence” confirmam muito particularmente essa impressão, cada um a seu modo – o primeiro em tempo acelerado e com um apurado sentido de “groove”, o segundo mais introspectivamente e em abordagem exploratória, debruçando-se sobre um mundo sonoro todo ele feito de nuances.