AvantNOIR

Lisa Mezzacappa: “AvantNOIR” (Clean Feed)

Clean Feed

Gonçalo Falcão

Por muito ofendidos que estejamos com os Estados Unidos por ter eleito o Trump (Reagan, Bush...?), sabemos que Nova Iorque, Chicago e San Francisco não são a América e o resto é quase um deserto de matarruanos com uma dieta cultural de Marvel e a “moral wisdom” das letras da country music. Tudo se perdoa quando ouvimos os novos “cats” a tocar. A ideia de que tudo se renova e que a atualização se faz para a frente, na descoberta de novos cominhos, dá-nos esperança no futuro.

Liza Mezzacappa é uma contrabaixista que faz parte da cena de São Francisco e que lidera e integra um sem-número de grupos (Bait & Switch, The Interlopers, Nightshade, Eartheaters, Lisa Mezzacappa Trio, BODABODA, duo B., Cylinder, the Mezzacappa-Phillips Duo, Les Gwan Jupons) e nesta novíssima gravação para a Clean Feed ouvimo-la com o avantNOIR, o seu novo sexteto, que no fundo é uma extensão instrumental do Bait & Switch, banda que conhecemos de uma edição anterior na “label” portuguesa.

Assim, ao contrabaixo, à bateria, à guitarra e ao saxofone somam-se o vibrafone e a electrónica (e um novo baterista). A personalidade do grupo é fortemente marcada pela escrita de Mezzacappa e pela conjugação do som da guitarra eléctrica, do vibrafone e do sax. A inspiração para as pautas provém do “film noir”, um subgénero cinematográfico criado pela crítica nos anos 1940 e 50 para alguns filmes policiais americanos filmados a preto-e-branco e com elevadas doses de suspense. Por sugestão do título ou não, ficamos convictos de que a música é tensa, apressada e esquiva, avançando com um “swing” medricas.

É por isso que as pautas deste “jazz noir” mudam frequentemente de direcção e de registo, como quem anda a descobrir. A electrónica está no grupo para adicionar sons e ambientes às músicas. Destaca-se a guitarra de John Finkbeiner e o saxofone de Aaron Bennett. A guitarra porque cria uma ligação muito interessante com o vibrafone nos momentos conjuntos e sola com uma linguagem inovadora, posicionando-se na frente do grupo com um som seco mas muito ágil. Imagine um Jim Hall com Parkinson. O saxofone também vai directo ao assunto e tem um som excelente, com graves e muita força nos solos, seguindo a escola de Gustaffson / Vandermark, mas expõe os temas com clareza e simplicidade.

Para os amantes de Paul Auster este é um disco indispensável, pois as músicas vêm das histórias criminais criadas na trilogia de Nova Iorque desse escritor nos anos 1980, colocadas em diálogo com as de Dashiell Hammett (São Francisco, década de 20). Para quem gosta de ouvir jazz, este disco dá-nos o prazer de ouvir a América que continua à procura de novos caminhos, independentemente de quem gere os negócios. O jazz avança num país que retrocede (e pouco sabe disso).

  • AvantNOIR

    AvantNOIR (Clean Feed)

    Lisa Mezzacappa

    Aaron Bennett (saxofone tenor); John Finkbeiner (guitarra eléctrica); Tim Perkis (electrónica); William Winant (vibrafone, percussão); Lisa Mezzacappa (contrabaixo, samples); Jordan Glenn (bateria)