Fail Better!: “Owt” (NoBusiness)

Rui Eduardo Paes

Ainda com a formação original (ou seja, incluindo João Guimarães e João Pais Filipe, que entretanto deram o seu lugar a Albert Cirera e Marco Franco), este é o segundo e muito aguardado álbum dos Fail Better!, grupo com base em Coimbra liderado pelo guitarrista Marcelo dos Reis e que tem ainda como membros Luís Vicente e José Miguel Pereira. Depois da surpresa que constituiu o seu disco debutante, “Zero Sum” (a exigente All About Jazz deu-lhe quatro estrelas e meia), este segundo tomo confirma o projecto como um dos mais entusiasmantes do actual cenário da música criativa portuguesa.

As estratégias perseguidas são as da música livremente improvisada, o que significa que não se seguem partituras ou estruturas previamente estabelecidas, mas o grupo está muito longe do ideário não-idiomático estabelecido por Derek Bailey. As contribuições do jazz e do rock são plenamente assumidas e definem esta prática da improvisação como um trans-idiomatismo sem complexos nem retenções. O que se verifica, por exemplo, na adopção da tonalidade e do modalismo, eixos do que ouvimos no muito jazzístico “In Between”, um dos mais saborosos temas reunidos neste LP. São muito variadas, no entanto, as abordagens – se “Sidereal” funciona como um mantra, remetendo-nos simultaneamente para o krautrock de uns Can e para a música de transe de Marrocos, “Circular Measure” pega nas fórmulas reveladas em “Zero Sum” e condu-las por um “jamming” psicadélico especialmente exuberante. No conjunto, destacam-se as prestações de um dos Reis cada vez mais inventivo no uso da guitarra eléctrica (ele que, regra geral, toca a versão acústica) e de Guimarães no saxofone alto, um músico que está decididamente entre os melhores que temos.